Ateu interessado em religiões, Porchat diz não se incomodar com críticas ao Especial de Natal - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Cotidiano

Ateu interessado em religiões, Porchat diz não se incomodar com críticas ao Especial de Natal

Foto por
Escrito por da redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

Curioso e ateu praticante, como ele mesmo define, Porchat já visitou igrejas evangélicas, centros de umbanda e lê bastante sobre religiões, conteúdo que ele sempre usou para criar os vídeos do canal de humor. “Sempre achei fascinante a ideia de que as pessoas acreditam em algo que não existe, de guiarem a vida delas em cima do que elas acreditam e não pelo que elas sabem”, reflete o ator e roteirista.

Desde 2013, o canal Porta dos Fundos lança vídeos curtos humorísticos inspirados na história da Bíblia na época do Natal. Desde o início, houve protestos de grupos religiosos contra a forma como Jesus era retratado nesses esquetes.

Mesmo assim, o sucesso do Youtube se transformou em um projeto maior, em parceria com a Netflix. O primeiro, no ano passado, “Se Beber, Não Ceie”, venceu Emmy Internacional como melhor comédia do ano.

A reclamação de críticos começou pouco depois do lançamento. Um abaixo-assinado liderado por evangélicos está pedindo a censura do filme pela história levantar a possibilidade de que Jesus (Gregório Duvivier) seja gay. Com a meta de chegar a 1 milhão de assinaturas, a página já recrutou mais de 900 mil simpatizantes nesta quinta-feira (12). O texto pede “o impedimento do filme de Natal da Netflix e Porta dos Fundos, por ofender gravemente os cristãos.”

No entanto, a onda de críticas foi diminuindo, na visão de Porchat. “No início, ninguém fazia isso, mas quando eu veio Porta do Fundo e falamos de racismo, machismo, religião, politica, as pessoas tomaram um susto inicial. Então, os primeiros vídeos causaram furor, agora já entrou no inconsciente de que o Porta faz esse tipo de vídeo. Tem gente que não gosta, mas virou uma tradição”, avalia o humorista.

” A Primeira Tentação de Cristo”, Jesus ganha uma festa surpresa por seus 30 anos, quando Maria e José precisam revelar que ele foi só adotado por eles. “Jesus chega na festa depois de 40 dias no deserto junto com Orlando, um rapaz pouco afeminado e que eles fizeram uma amizade muito profunda. Tem o Tio Vitório que é Deus”, explica Porchat, sobre o filme.

Para o humorista, o papel deles é apenas fazer uma boa comédia. “As pessoas ficam com raiva por ter mexido com o que elas acreditam e comentam coisas do tipo, ‘quero ver se vocês terão coragem de brincar com Alá e com Maomé’, e a gente fala deles também, não há problema algum. O cara quer ver a piada, ele pede, mas como ele não tem coragem de fazer, a gente faz.”

Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, afirmou no Twitter que o filme do Porta dos Fundos “ataca a fé cristã” por mostrar “Jesus namorando um homem, fazendo festas com prostitutas e se recusando a pregar a palavra de Deus”. Ao narrar a história completa do especial, o ator Gregório Duvivier respondeu ironicamente ao deputado federal. “Caramba, tá todo o mundo assistindo mesmo”.



Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Ateu interessado em religiões, Porchat diz não se incomodar com críticas ao Especial de Natal"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.