Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Cotidiano

Metroviários franceses temem "segunda-feira negra" nos transportes

.

Empresas orientam usuários a evitar seus serviços por causa da greve: (Foto: GONZALO FUENTES/Agência Brasil)
Empresas orientam usuários a evitar seus serviços por causa da greve: (Foto: GONZALO FUENTES/Agência Brasil)

A Sociedade Nacional de Ferrovias Francesas (SNCF) orientou os usuários a não usar seus serviços hoje (9), antecipando o que seria uma "segunda-feira negra", no quinto dia da greve dos metroviários. A paralisação é por tempo indeterminado e reivindica a retirada do projeto oficial de reforma da Previdência."Se não comunicarmos aos nossos clientes, com muita ênfase, que eles não devem ir às estações amanhã, poderemos ter problemas de segurança", disse o gerente-geral da rede suburbana da região de Paris, Alain Krakovitch, em relação a mais um dia de protesto contra os projetos de reforma do presidente Emmanuel Macron.

A greve deve afetar particularmente a rede SNFC, os subúrbios e a Administração Autônoma de Transporte Parisiense (RATP), que neste sábado (7) só pôde cumprir 15% de seus serviços na área suburbana, despachando apenas um em cada seis trens de alta velocidade e um em cada 10 do serviço interurbano.O panorama deste domingo (8) mostrou 14 das 16 linhas do metrô de Paris paralisadas. Para a segunda-feira, espera-se a prestação de serviços mínimos, em nível provavelmente semelhante aos de ontem. Nesse contexto, a própria SNCF enviou mensagem de texto aos telefones celulares dos usuários, recomendando que eles "não chegassem às estações".

Enquanto isso, a RATP solicitou a todos os usuários que possam adiar sua viagem que o façam, devido ao "alto risco de saturação da rede". Desde o início da greve, muitos parienses rcorrera, a bocoicletas árra ir ase locomover.

Dez linhas de metrô serão completamente fechadas e as linhas 4, 7, 8 e 9 serão severamente interrompidas. Apenas as linhas automáticas 1 e 14 funcionarão normalmente, como as linhas Orlyval, Orlybus e Roissybus.A greve dos metroviários contra o projeto de reforma previdenciária de Macron começou quinta-feira (5). A proposta do presidente que visa unificar os mais de 40 regimes previdenciários existentes atualmente em uma única estrutura que, segundo Macron, favoreceria a igualdade entre os trabalhadores.

*Com informações da Télam e outras agências internacionais

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas de Cotidiano

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber