Cotidiano

UEL desenvolve APP para combater a dengue

Da Redação ·
APP é gratuito e funciona no estilo checklist
APP é gratuito e funciona no estilo checklist

Para ajudar a combater o mosquito Aedes aegypti, um grupo interdisciplinar formado por professores e estudantes, dos cursos de Ciências da Computação, Design Gráfico e Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Londrina (UEL), desenvolveu o aplicativo Combate ao Aedes. Com o formato de checklist, o aplicativo é voltado para verificação de itens que estão dentro e fora de casa. Ele tem interatividade, histórico das verificações e acompanhamento das atividades mês a mês. O app é gratuito e está disponível no Google Play.

continua após publicidade

A produção é interdisciplinar pelo Grupo de Desenvolvimento Móbile, que envolve os professores Jacques Brancher, do Departamento de Computação, João Zequi, do Departamento de Biologia Animal e Vegetal, e Paula Nappo, do Departamento de Design.

Participaram também da elaboração os estudantes Vitor Henrique Rosa Batista de Oliveira, do 4º ano do curso de Ciências da Computação, que desenvolveu o servidor do aplicativo (backend); Renan Ricoldi Frois Pedro, Fernando Morgado Pires Neto e Alan Willy Leisel, estudantes do 2º ano de Ciências da Computação e integrantes do Ramo Estudantil do IEEE, que fizeram o app (frontend), além dos estudantes do 3º ano de Design Gráfico, Gabriel Ribeiro da Silva e Lauren Caroline Sampaio de Sales, que desenvolveram a interface gráfica.

continua após publicidade

O professor João Zequi lembra que os mosquitos estão sofrendo mutação genética, o resultado que eles estão mais resistentes ao inseticida comercial, como mostra a pesquisa do projeto "Inovação em produtos de controle e repelência do vetor e no monitoramento de arbovírus", coordenado por ele.

Com isso, a maneira mais eficiente de combater o mosquito é evitar criadouros. E o aplicativo auxilia neste sentido. "Uma boa limpeza do quintal é o que a população precisa fazer", afirma João Zequi.

O aplicativo auxilia ainda para o mapeamento de áreas da cidade. O professor Jacques explica que, com o login do usuário, é possível identificar a localização e, com isso, poderá ser formado um banco de dados. Para isso, é necessária a participação das pessoas na utilização do app.

continua após publicidade

"Isso vai colaborar com o controle e é o ponto que precisa mais de atenção", afirma o estudante Vitor Batista de Oliveira, que atuou no desenvolvimento e já consegue ver a relevância do trabalho feito.

Para o estudante Fernando Morgado, importante também é a integração entre diferentes áreas. Ele afirma que ficou mais fácil para desenvolver a aplicação com o trabalho conjunto entre as áreas da Computação e Design.

AÇÕES - O app deriva de um checklist físico elaborado pelo Grupo de Trabalho de Vigilância e Controle do Aedes (GT Aedes), que desde 2015 realiza diversas ações para promover a educação e o combate ao mosquito causador da dengue. "Os projetos resultam de uma demanda maior, que é social, para converter em educação ambiental e saúde para a população", afirma Paula Nappo.

continua após publicidade

Diversos outros materiais foram elaborados, entre eles três Histórias em Quadrinhos (HQs), pela Liga de Combate ao Aedes. Foram impressos 25 mil exemplares das histórias Todos contra o Aedes, que atende a faixa etária de 6 a 12 anos. O material foi distribuído para a Secretaria de Educação de Londrina.

Outros 50 mil exemplares foram impressos dos HQs Tão Fácil, direcionado aos adolescentes de 13 a 17 anos, e O que não fiz, produzido para faixa etária acima de 18 anos. João Zequi conta que eles foram distribuídos até para o Ministério da Saúde, em Brasília, onde ele atua com outros grupos nacionais que pesquisam o Aedes aegypti.