Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Cotidiano

Cresce número de migrantes e refugiados que buscam recomeço no Paraná

.

Agência de Notícias do Paraná
Agência de Notícias do Paraná

A busca de um novo começo para quem foge de crises econômicas e políticas, de ditaduras ou de guerras em seus países de origem tem crescido no Paraná. Só nos primeiros cinco meses de 2019, o Centro de Informação para Migrantes, Refugiados e Apátridas, órgão vinculado à Secretaria da Justiça, Família e Trabalho do Governo do Paraná, já registrou mais de 1,2 mil atendimentos para mais de 30 nacionalidades, quase o dobro do que o registrado mesmo período de 2018, com 663 atendimentos.

O trabalho é lembrado no Dia Mundial do Refugiado, celebrado nesta quinta-feira, 20 de junho.

“O número de atendimentos demonstra um aumento significativo, de 85%. Isso mostra o compromisso da nossa gestão em qualificar os atendimentos dos profissionais para receber as famílias que vêm em busca de uma nova vida, de novas oportunidades”, diz o secretário Ney Leprevost.

PERFIL E PAÍSES - De acordo com os dados da Secretaria, a maioria dos migrantes que chega até o Ceim-PR está na faixa dos 30 aos 59 anos e é formada por homens, que buscam trabalho, orientação para elaboração de currículo e para reinserção no mercado de trabalho.

As nacionalidades mais atendidas até agora, foram Haiti com 538 registros; Venezuela com 532 atendimentos; Cuba com 48; Colômbia com 19 e Marrocos com 11 atendimentos registrados só este ano.

“O aumento se dá devido a frequente chegada dos migrantes venezuelanos que entram no Paraná. Aumentamos também a divulgação dentro das redes locais e dos nossos canais de atendimentos e qualificamos nossos profissionais para o atendimento aos migrantes”, explica o coordenador da Política Pública dos Migrantes, Refugiados e Apátridas do Paraná, João Guilherme Simão.

Dentre os países de origem de migrantes atendidos este ano estão também Afeganistão, Angola, Arábia Saudita, Argélia, Argentina, Cabo Verde, Camarões, Chile, Colômbia, Congo-Brazzaville, Costa do Marfim, Cuba, Egito, Espanha,  El Salvador, Gâmbia, Gana,  Guiné, Guiné-Bissau, Haiti, Honduras, Iêmen, Itália, Japão, Jordânia, Líbano, Marrocos, Mauritânia, Nigéria, Paquistão, Paraguai, Peru, Portugal, República Democrática do Congo, República Dominicana, Senegal, Serra Leoa, Síria, Tunísia,  Uruguai  e Venezuela.

ATENDIMENTOS SOCIAIS - O migrante pode revalidar no Paraná, por meio do Ceim-PR, o ensino fundamental e médio, além de se matricular no ensino regular. Na sequência, realizar processo seletivo para cursos técnicos subsequentes.

Também pode fazer a carteirinha da Biblioteca Pública para as aulas de português e a verificação de vagas nos Centros Municipais de Educação Infantil.

Ainda há a possibilidade de encaminhamento para o mercado de trabalho. Para isso, é feito o cadastro no portal do Ministério do Trabalho; verificação de vagas disponíveis; elaboração e impressão de currículos; organização de documentação para contratação; orientação profissional e informações sobre cursos de qualificação profissional e agendamento de atendimento para emissão da carteira de Trabalho (CTPS).

No campo jurídico, é feito todo o acompanhamento legal para que seja possível regularizar o status migratório, distribuição de informações sobre o acesso à justiça gratuita, regularização documental, tipos de vistos, autorização de residência e solicitação de refúgio.

Na assistência social, são prestados atendimentos com a interlocução dos órgãos, como Centros de Referência e Centros Especializados de Assistência Social (Cras e Creas), bem como Centros POP; com entidades da sociedade civil referente a casos de acolhimento e recepção de migrantes, encaminhamentos para a realização do cadastro único para verificação de benefícios eventuais e a intermediação de acolhimento institucional.

DIA MUNDIAL DO REFUGIADO – Em alusão ao Dia Mundial do Refugiado, 20 de junho, será realizado terça-feira (25), às 18h, Roda de Conversa sobre os Caminhos para o Acesso a Direitos.

 O evento acontece no CEIM na Rua Desembargador Westphalen, Edifício Dante Alighieri, 13º andar, Centro, em Curitiba e será realizado pela Agência da Onu para as Migrações, em parceria com o Centro de Informações para Migrantes, Refugiados e Apátridas do Paraná da Sejuf e a Cáritas Brasileiras Regional.  

OPERAÇÃO ACOLHIDA - A operação de acolhida integra o processo de interiorização de imigrantes venezuelanos, iniciada pelo Governo Federal no final de 2018, e é comandada pela Casa Civil da Presidência da República, Ministério da Defesa, Organização das Nações Unidas (ONU) e outros organismos da sociedade civil. 

De acordo com dados da Força Aérea Brasileira, o Paraná é o quarto estado que mais recebeu migrantes venezuelanos, desde o início da operação, com 706 (10,8%), atrás do Rio Grande do Sul, com 1.129 (17,3%), São Paulo, 926 (14,2%) e Santa Catarina, 792 (12,1%).

BOXA situação política me obrigou a deixar tudo para trás

A situação política instável e, mais que isso, as ditaduras e desrespeito às liberdades individuais, têm sido um dos grandes motivadores de correntes migratórias pela América Latina.

Na Venezuela, a crise política logo trouxe impactos econômicos e, em seu viés ditatorial, afetou diretamente os direitos individuais dos cidadãos. A desilusão causada pela situação levou o jornalista Juvenal Martinez, de 29 anos, a deixar para trás trabalho, família e o namorado.

 “Foi uma decisão muito difícil, mas a situação política do país me obrigou a deixar tudo para trás, inclusive meu relacionamento”, disse, enquanto buscava atendimento nesta quarta-feira (19/06) no Centro de Informação para Migrantes, Refugiados e Apátridas, órgão vinculado à Secretaria da Justiça, Família e Trabalho do Governo do Paraná.

Por ter amigos em Curitiba, escolheu a capital paranaense para recomeçar a vida. “Cheguei há 22 dias e me sinto muito bem, gostei muito da cidade que tem um clima agradável”, disse ele. Bolívar,  cidade venezuelana onde morava, tem temperatura média na casa dos 40 graus). Há muitas pessoas boas e amáveis aqui, no Centro de Informações as pessoas são todas muito queridas. Ainda sou muito novo na cidade  mas estou gostando muito”, conta.

Graças ao CEIM, Martinez conseguiu gratuitamente reunir todos os documentos solicitados pela empresa onde pleiteia um emprego. “O Centro do Imigrante está sendo muito útil para mim, porque consigo obter informações em relação a meus trâmites como imigrante e também é uma chance de diminuir meus gastos, pois posso fazer cópias, imprimir meus currículos gratuitamente e sou muito grato por tudo isso”.

O venezuelano está hospedado atualmente na casa de amigos brasileiros no bairro Bigorrilho, mas quer logo ter seu próprio lar. Para isso, conta com seu currículo e uma oportunidade que surgiu.

 “Consegui uma entrevista de emprego numa empresa que sempre precisa de pessoas que tenham o espanhol como língua materna. Mandei meu currículo e já me chamaram para entrevista. Mas também já percebi que há uma demanda grande para ser professor de espanhol aqui! Estou otimista”, comenta.

SOBRE O FUTURO -  “Quero conhecer o amor, casar, ter uma família aqui, como todo ser humano quer”, vislumbra. “E também poder abrir espaço para amigos venezuelanos que estão em busca de uma vida melhor, pois o Brasil é muito acolhedor. E ajudar meus pais na Venezuela, pois eles precisam de muitos remédios que já não se encontram nas farmácias de lá”, finaliza.

REVER O FILHO - Assim como ocorre na Venezuela, muitos cubanos insatisfeitos com o regime castrista têm migrado em busca de uma nova vida, com garantia de direitos individuais e liberdade de expressão.

É o caso de Yohana Boza Leon, 20 anos, advogada, que há um ano escolheu Curitiba para viver com seu marido Elesbet Sanches, 37 anos, nutricionista. Para sair de Cuba, tiveram que deixar o filho Kevin, hoje com quatro anos, morando com o avô. Aqui, tiveram mais um menino: Kelvin, de apenas três meses de vida.

Foi atrás de orientações para tirar o passaporte brasileiro do caçula é que ela procurou o Centro de Informação para Migrantes, Refugiados e Apátridas.

Agora, com o nascimento de Kelvin, o casal pode tirar seus vistos permanentes no Brasil e realizar o sonho de trazer para cá também o filho mais velho. “Esperamos até novembro tê-lo aqui conosco”, deseja.

Além de trazer o menino, Yohana e Elesbet sonham também em poder atuar nas suas profissões. Atualmente ela está desempregada, e vai tentar revalidar seu registro profissional para voltar a advogar e, breve. Ele é nutricionista, mas está atualmente atuando como assistente de cozinha em um restaurante.

A escolha de Curitiba, porém, é considerada um grande acerto. “Gostamos muito da cidade e de ir aos parques, especialmente o Barigui. É um lugar muito bonito. O Tanguá também”.

Sobre seu país natal, o lamento de quem ama a terra onde nasceu, mas não tolera a falta de liberdade:  “Em Cuba não temos direito nenhum. Você não pode enriquecer, pois tudo vai pro governo. Se você tem mais de duas casas, o governo fica com uma. Se você não aceitar participar do grupo político que está no governo, é considerado como antirrevolucionário”, conta.

“Depois da morte de Fidel Castro, esta situação apenas piorou, e a crise social também. Não adianta apenas ter dinheiro, porque não se consegue comprar comida”, diz. “É triste, porque lá você tem saúde, educação, segurança, mas não tem a mínima liberdade nem uma perspectiva de futuro.”

A ESPERANÇA- O Haiti se transformou em um verdadeiro caos após o grande terremoto de janeiro de 2010. Análises indicam que cerca de três milhões de pessoas foram atingidas pelo sismo, e cerca de 200 mil morreram.

Além das vidas perdidas e afetadas, o desastre resultou em danos econômicos que impactam até hoje sobre seus habitantes.

Por isso o país até hoje é um dos locais de onde mais saem migrantes em todo o mundo. Em Curitiba, os haitianos lideram as estatísticas de chegada de estrangeiros desde que foi inaugurado o Centro de Informação para Migrantes, Refugiados e Apátridas, em 2016 (apenas esse ano já foram 538).

Diaubon Dhaiti já está em Curitiba há cinco anos. Veio com a família – a esposa Paulette e o filho Kerry, hoje com 12 anos. Nesta quarta-feira, estava no CEIM para levar a conterrânea Cayo Soeulette, chegada em Curitiba há menos de uma semana.

Os haitianos têm passado por maus bocados ao chegar. Após um despachante infestar a praça de documentos falsos que vendia aos migrantes como se fossem legais, a Polícia Federal passou a exigir a apresentação de uma certidão consular – que leva em média 90 dias para ser expedida.

Nesse período, não há como agilizar documentações ou fazer encaminhamento para emprego, por exemplo.

Diaubon já tem seus documentos e está legal no país, mas agora enfrenta outro mal: o desemprego. Apesar disso, gosta de Curitiba e nem pensa em voltar um dia para o Haiti. “Tudo acabou após o terremoto. Não há trabalho. Não há como viver”, lamenta.

Em território brasileiro, a esperança vem pelos pés e pela cabeça de seu filho Kerry: ao se destacar numa escolinha de futebol, os dirigentes o encaminharam para o colégio Adventista – que concedeu uma bolsa de estudos integral para que ele jogue pelo time da instituição. “É bom jogador e bom aluno. Sei que terá um bom futuro”, sorri.

Colaboração, Agência de Notícias do Paraná.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Cotidiano

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber