Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Cotidiano

Justiça determina bloqueio de R$ 128 milhões das contas de Aécio Neves

.

A Justiça de São Paulo solicitou nesta terça-feira (28) o bloqueio imediato de R$ 128 milhões da conta do deputado federal Aécio Neves (PSDB). A indisponibilidade do valor tem relação com ação que investiga o pagamento de vantagens ao parlamentar pelo empresário Joesley Batista e pelo grupo J&F. 

Em nota, a defesa do tucano afirma que apresentou recurso contra a medida e a considera “inusitada e incompreensível”. A decisão é do juiz João Batista Gonçalvez, da 6º Vara Federal Criminal. O bloqueio ainda afeta empresas e 13 pessoas, entre elas, a ex-deputada federal Cristiane Brasil (PTB) e o ex-deputado federal Benito Gama (PTB), no valor de até R$ 20 milhões para cada um..

O bloqueio corresponde a investigação que apura denúncia de que a compra do prédio em que funcionava o jornal Hoje em Dia, em Belo Horizonte, teria sido feita para repassar o valor de R$ 17.354.824,75 ao tucano. A quantia teria sido pedida para quitar dívidas da campanha de 2014, quando Aécio concorreu à Presidência. Ainda de acordo com a denúncia, o valor inicialmente pedido pelo atualmente deputado, foi de R4 18 milhões. 

Segundo o Ministério Público Federal, "Aécio Neves, no exercício do mandato de Senador da República e em razão do referido cargo, teria solicitado a Joesley Batista, bem como ao Grupo J&F, no período entre 2014 e 2017, vantagens indevidas em quatro oportunidades, sob a promessa de favorecimento em eventual governo presidencial do período entre 2015 a 2018".

No mesmo processo consta ainda que, posteriormente, Aécio Neves ainda teria solicitado a Joesley o pagamento de mensalidades de R$ 50 mil. O valor seria pago em publicidade na Rádio Arco Iris – com nome fantasia de Jovem Pan BH -, de propriedade do tucano. A quantia seria usada, segundo o inquérito, para cobrir despesas pessoais. A somatória dos valores pagos a Aécio totalizaria cerca de R$ 920 mil.

De acordo com a defesa de Aécio, os valores de referem a doações de campanha feitas a época pela JBS, declaradas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e que se destinaram também a outros partidos.

A defesa ainda nega que os recursos tenham “transitado” pelas contas do deputado e que as acusações são fruto de “busca desesperada” pela validação da delação. 

Colaboração, Correio Braziliense

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Soprap

Edhucca

Últimas de Cotidiano

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber