Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Cotidiano

Arilson Chiorato: "Só há duas saídas para o pedágio: acabar ou adotar modelo igual, ao de SC"

.

O Deputado Estadual eleito Arilson Chiorato, às vésperas da posse na Assembleia Legislativa do Paraná, anunciou que pretende à partir do dia 1 de fevereiro se empenhar na questão dos pedágios do Paraná. 

Para ele, o preço cobrado pelo serviço além de muito acima do preço justo, não condiz com a realidade do que se prometeu nos contratos "Nós temos aumento no pedágio todos os anos. Muitas obras que foram previstas no contrato, no início da concessão, até hoje não foram entregues. Temos que buscar justiça quanto a isso", afirma.

Arilson também lembra que em 2021 os contratos de concessão nas rodovias do Paraná - o chamado Anel de Integração, se encerram e cabe ao povo paranaense decidir de qual maneira essas rodovias (as principais do estado) serão administradas "Já existem conversas sobre renovação de contratos ou de um novo modelo de concessão. Mas nada deve ser feito sem antes consultarmos todos os paranaenses sobre o que deve ser feito. Se for o desejo da população o fim do pedágio, esta será nossa linha de trabalho", conta.

O deputado, que mora em Apucarana, conta que conhece de perto este problema "Viajo de carro por todo o Paraná. Além de abusivo o preço do pedágio, existem trechos que ainda não tiveram suas obras concluídas, como por exemplo a duplicação da BR 376, que liga o Norte do Estado à capital". 

Outras regiões, segundo Arilson, também sofrem "O pedágio de Jataízinho, por exemplo, custa R$22,00 para um carro de passeio. E a rodovia nem é duplicada. Temos também a BR 222, que liga Foz do Iguaçu a Curitiba, toda pedagiada e tudo em pista simples".

UM NOVO MODELO DE PEDÁGIO SEMELHANTE AO DE SC

Arilson Chiorato também afirma que caso o entendimento final seja por criar novas concessões nas rodovias, que se adote um modelo mais justo "Temos por exemplo, no estado de Santa Catarina pedágios que custam em média R$2,70, com rodovias duplicadas e em ótimas condições".

Segundo ele, modelos como este são possíveis caso haja interesse por parte do governo "É preciso criar uma agência estadual para controlar o pedágio, regular os preços e serviços, e cobrar um valor módico, ou seja, justo para a população, como é o modelo vigente em Santa Catarina", conta.

COMISSÃO 
O Deputado conta que vai iniciar o mandato já propondo a criação de uma comissão "Quero criar uma comissão de acompanhamento das obras de pedágio. O objetivo é fiscalizar e cobrar as obras que estão previstas em contrato. No caso de uma concessionária não concluir a obra dentro do prazo, que isso seja compessado baixando o valor do pedágio", salienta.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Soprap

Edhucca

Últimas de Cotidiano

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber