Facebook Img Logo
Mais lidas
Cotidiano

Polícia investiga aliciamento de motoristas do Uber por traficantes para transportar drogas

.

Foto - Imagem ilustrativa
Foto - Imagem ilustrativa

Motoristas do aplicativo Uber no Distrito Federal  cooptados por traficantes. Eles acionam o serviço para transportar drogas ou fazer delivery para usuários. Os profissionais são recrutados pelos criminosos com promessas de grande ganhos oferecidas para que a viagem de risco seja concluída. A Polícia Civil investiga a prática. Um condutor do app foi preso por tráfico na noite de quinta-feira (22).

O portal Metrópoles, de Brasília, entrevistou três motoristas, que, sob a garantia do anonimato, revelaram histórias e experiências tensas envolvendo negociações de viagens com traficantes e usuários fissurados por uma carreira de cocaína ou um cigarro de maconha. Em um dos casos, uma mala abarrotada de drogas chegou a ser colocada no bagageiro do veículo de um profissional.

Marcelo*, 35 anos, transporta passageiros por meio de aplicativo há cerca de um ano e meio e já passou por apuros atrás do volante de seu carro. A situação mais complicada ocorreu há três meses, na Rodoferroviária de Brasília. Era por volta de 20h quando o sinal de alerta para passageiros tocou no celular. Ao chegar no local, um homem de meia-idade e bem vestido esperava pelo veículo.

O passageiro pediu para acomodar a mala no bagageiro. “Em seguida, ele foi bem sincero e disse que precisava levar uma mala com drogas até um determinado ponto em Valparaíso, no Entorno do DF, e pediu para eu ficar tranquilo”, revelou o motorista.

O passageiro solicitou que o motorista desligasse o aplicativo, pois pagaria a corrida em dinheiro quando chegasse ao destino. “Eu agradeci e disse que não faria essa viagem por dinheiro nenhum no mundo. Sou nascido e criado em Ceilândia e conheço a violência e o tráfico de drogas bem de perto. Quem não acaba preso é porque foi morto. Cancelei a corrida e fui embora sem olhar para trás”, lembrou o profissional do volante.

Marcelo contou ser comum, principalmente durante a madrugada, atender passageiros sob efeito de drogas ou exalando cheiro de maconha. “São riscos que corremos por trabalharmos à noite”, afirmou.

Veja vídeo


Leia a matéria completa no portal Metrópoles

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Cotidiano

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber