Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Cotidiano

MPF constata que floricultura recebeu R$ 6 milhões de empresa investigada na Lava Jato

.

Floricultura Floribella fica em uma pequena loja na região central de Londrina - Foto: Luciane Cordeiro/RPC)
Floricultura Floribella fica em uma pequena loja na região central de Londrina - Foto: Luciane Cordeiro/RPC)

Uma modesta floricultura localizada na Rua Pará, no Centro de Londrina (norte do Paraná), recebeu R$ 6.467.242,52 da empresa de engenharia Rio Tibagi, subsidiária da concessionária Econorte e investigada na Operação Lava Jato, de acorodo com o Ministério Público Federal (MPF).

A Guerra & Rosa foi constituída em 2006, tendo como um dos sócios Leonardo Guerra, o principal administrador da Rio Tibagi, preso em 22 de de fevereiro na 48ª fase da Lava Jato. Guerra deixou a sociedade em 2012. Atualmente, a irmã dele, Heloiza Guerra, é proprietária da empresa.

Nesta etapa, a operação apura crimes como corrupção, fraude a licitações e lavagem de dinheiro na gestão das concessões de rodovias federais no Paraná. A força-tarefa afirma que a tarifa de pedágio no Estado foi superfaturada para financiar a corrupção. De acordo com os procuradores, os mais de R$ 6 milhões foram recebidos pela floricultura entre 2011 e 2013.

Loja modesta
A loja da floricultura Floribella (o nome fantasia da Guerra & Rosa), especialista em buquê de noivas, não tem nenhuma flor ou arranjos de flores verdadeiras expostos.

As poucas prateleiras de vidro sustentam pequenos vasos com folhagens ou flores artificiais e exemplos de cestas matinais simples.

Para saber quais são os produtos vendidos pela floricultura e como podem ser entregues, uma funcionária recorre ao site da loja para mostrar os itens disponíveis.

Esquema de desvio
Por meio da loja e de outras empresas de fachada, segundo a Lava Jato, o administrador movimentou milhões de reais em depósitos "sem causa lícita" em um esquema de desvio de recursos provenientes da concessionária.

O dinheiro desviado de tarifas de pedágios era depositado por empresas "prestadoras de serviços" contratadas pela Rio Tibagi, "embora nunca tenham registrado empregados e seus objetos sociais em nada se assemelhem à conservação de rodovias", ainda conforme a investigação.

"(...) tais empresas (de fachada ou sem capacidade operacional) emitiam notas referentes a transações inexistentes, de modo a acobertar a retirada de valores da RIO TIBAGI, os quais, posteriormente, eram repassados à 'FLORICULTURA GUERRA E ROSA'", acusa o MPF.

Com os recursos desviados da Rio Tibagi por meio da floricultura, Guerra adquiriu 40 imóveis em Londrina, entre 2011 e 2013, e custeou despesas próprias e de seus familiares, aponta a Receita Federal.

Para o Ministério Público Federal, Guerra representa "apenas a 'ponta do iceberg' no contexto de um conglomerado de operações criminosas que envolvem diretamente os demais representados e agentes públicos sob investigação".

48ª fase da Lava Jato
A 48ª fase da Lava Jato tem como alvos principais servidores públicos e empresas investigadas por corrupção, lavagem de dinheiro, associação criminosa e peculato. Seis pessoas foram presas - entre eles, o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná (DER-PR), Nelson Leal.

Segundo o MPF, a fase da operação tenta mostrar as "reais causas" do usuário pagar preços tão elevados pelos pedágios. De acordo com a investigação, o valor das tarifas foi superfaturado para financiar a corrupção. Os presos são investigados por corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, associação criminosa e peculato.

As informações são da RPC/G1


O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Cotidiano

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber