Cotidiano

Pesquisa aponta quanto custa para “comprar” felicidade

Da Redação ·
Imagem ilustrativa - Arquivo
Imagem ilustrativa - Arquivo

Pesquisadores norte-americanos decidiram investigar se a felicidade tem preço. Um grupo da Universidade de Purdue analisou mais de um milhão de pessoas de 164 países diferentes e calculou um valor médio de satisfação com base nas respostas dos participantes.

continua após publicidade

A conclusão foi surpreendente: um salário exorbitante, na verdade, pode piorar o humor. “Isso pode ser surpreendente devido a programas de televisão e propagandas que nos dizem não haver limites quando se trata da quantidade de dinheiro necessária para ser feliz”, afirmou Andrew T. Jebb, principal autor do estudo.

Os pesquisadores converteram todas as respostas a perguntas relacionadas ao poder aquisitivo a contentamento e bem-estar para dólares e chegaram à conclusão que o ideal para a felicidade é um salário anual de U$ 95 mil, cerca de R$ 304 mil por ano.

continua após publicidade

Valores entre U$ 60 mil a U$ 75 mil foram apontados também como bons pagamentos anuais. O relatório calculou esse número para um indivíduo e estimou que, para famílias, a quantidade de dinheiro para alcançar a felicidade seria maior.
“Tivemos uma variação substancial em diferentes partes do mundo. O contentamento de vida em áreas ricas demora mais para ser sentido”, disse Jebb. O motivo para isso é a satisfação ser muito influenciada pelos padrões sociais nos quais as pessoas se comparam, segundo o pesquisador.

“Os resultados obtidos extrapolam a relação entre dinheiro e felicidade em diversas culturas. A moeda é apenas uma parte do que nos faz felizes. Estamos aprendendo mais sobre os limites da riqueza material”, supõe o pesquisador.

Fonte - ISABELLA CAVALCANTE - METRÓPOLES