Cotidiano

Mulher de 66 anos acorrenta e espanca a filha de 37 até a morte; vítima era viciada

Da Redação ·
Olga Mostvitina é acusada de prender a filha para impedir que ela saísse de casa e depois assassiná-la - FOTO - REPRODUÇÃO
Olga Mostvitina é acusada de prender a filha para impedir que ela saísse de casa e depois assassiná-la - FOTO - REPRODUÇÃO

A polícia da Rússia prendeu ma mulher de 66 anos em Moscou acusada de algemar e acorrentar a própria filha de 37 anos antes de espancá-la até a morte.

continua após publicidade

Olga Mostvitina é acusada de prender a filha para impedir que ela saísse de casa e depois assassiná-la. Irina Moskvitina, a vítima, morreu no hospital em consequência de ferimentos generalizados.

A polícia achou algemas, uma corrente, varas e vestígios de sangue no apartamento em que as duas viviam. “A mãe dela a odiava. Ela nunca quis ter Irina, nunca quis dar à luz e estava sempre gritando com a filha”, garantiu uma amiga da vítima.

continua após publicidade

A polícia investiga o caso para descobrir como, realmente, os ferimentos foram consumados. Uma das teses para a motivação do crime é a de que Irina seria viciada em drogas e a família não tinha condições de pagar pela reabilitação. Por por isso ela vivia acorrentada.

A mulher teria voltado a viver com a mãe depois que brigas com o marido fizeram com os dois se separassem. Nesse retorno a relação entre mãe e filha ficou ainda pior. A idosa dizia para vizinhos que Irina tinha um “comportamento indecente”.

As informações são do jornal britânico Daily Mail