Facebook Img Logo
Mais lidas
Cotidiano

Guerrilha rompe cessar-fogo e realiza atentado na Colômbia

.

SYLVIA COLOMBO

BUENOS AIRES, EUA (FOLHAPRESS) - O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, repudiou o ataque do ELN (Exército de Liberação Nacional), na madrugada desta quarta-feira (10), ocorrido logo após o fim do cessar-fogo que havia sido acertado durante as negociações em curso entre o governo e a guerrilha.

O ELN é hoje a maior do país, após a desmobilização das ex-Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), transformadas em partido.

Em pronunciamento horas depois do atentado, Santos afirmou que a equipe negociadora do governo, que se encontrava em Quito, sede das conversas, voltaria a Bogotá, interrompendo a nova rodada de negociações entre as duas partes que se iniciaria nesta semana.

O ataque a um oleoduto em Casanere, norte da Colômbia, resultou na morte de um funcionário da empresa Ecopetrol, principal petroleira do país. Além da vítima, o atentado causou vazamentos de gás e de petróleo que obrigaram as autoridades locais a retirar várias famílias.

"Também me comuniquei com os altos comandos de nossas Forças Armadas para que cumpram seu dever constitucional de reagir a essa agressão", disse Santos, dando como encerrada a possibilidade de que o cessar-fogo pudesse ser renovado nesta semana. Esta era a expectativa do governo, apoiado por pedidos da Igreja Católica e da ONU.

Trata-se de revés significativo para o governo do Prêmio Nobel da Paz, a sete meses do fim de seu mandato e com popularidade em queda.

Gera incerteza, ainda, num país que está a poucos meses de eleições legislativas (março) e presidenciais (maio), nas quais a discussão sobre a eficácia dos acordos de paz será central, e que terão, pela primeira vez, ex-integrantes das Farc como candidatos ao Congresso e à Presidência colombiana.

ACORDO DIFÍCIL

A trégua entre o governo e o ELN teve início em 1º de outubro. Porém, já desde o começo das negociações, esse acordo vem se mostrando muito mais difícil do que o assinado com as Farc.

Isso porque o ELN insiste em não suspender, enquanto o acordo não for terminado, suas atividades criminosas, como o sequestro e a extorsão, alegando que são seu modo de sobrevivência enquanto não acertam como seria sua reintegração à sociedade colombiana.

Santos, porém, disse que a interrupção não significa o fim das negociações. "Meu compromisso com a paz tem sido e será indeclinável. Mas só se chega a paz com atos concretos de paz e o ELN não vem cumprindo essa parte."

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Cotidiano

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber