Facebook Img Logo
Mais lidas
Cotidiano

PM aceita acordo e põe fim à greve no RN

.

THIAGO AMÂNCIO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Policiais militares, civis e bombeiros do Rio Grande do Norte decidiram nesta terça (9) por fim à paralisação das categorias, que durou 22 dias.

Em reunião durante a tarde com representantes de associações de classe, o governador Robinson Faria (PSD) aceitou as reivindicações das categorias e prometeu não abrir processo administrativo ou qualquer outra sanção contra os agentes pela paralisação.

Parte dos policiais militares não vai às ruas desde 19 de dezembro, como forma de protesto contra o não pagamento dos salários de novembro (pagos no último dia 6), dezembro e o 13º, além de melhores condições de trabalho.

O governo se comprometeu a concluir o pagamento de dezembro até sexta (12), além de aumentar o vale alimentação de R$ 10 para R$ 20, e entregar, até sexta, 50 novos carros para os batalhões.

O acordo ainda seria submetido no começo da noite a policiais militares que não estavam presentes na reunião.

"Houve bom-senso por parte do governo. Policiais só podem se prestar a irem às ruas se houver segurança. Eu vi policiais em desespero, sem dinheiro, sem condições mínimas de trabalho. O movimento dos agentes é um exemplo para o país", disse Elisandro Lotin, presidente da Associação Nacional de Praças.

Os agentes negam que estivessem em greve, e dizem que não podiam sair às ruas sem condições mínimas de segurança, com carros danificados ou sem licenciamento e coletes balísticos fora da validade.

Os policiais civis também aceitaram as propostas do governo e, em assembleia no começo da tarde, decidiram pelo retorno imediato às atividades. Só duas delegacias de Natal funcionavam, em regime de plantão, desde que a categoria decidiu parar. "Estamos confiando nas palavras do governo", disse o presidente do sindicato de policiais civis do RN, Nilton Ferreira.

No sábado, o governo decretou situação de calamidade na segurança pública.

Conforme a reportagem mostrou, os PMs trabalham em carros sucateados, sem licenciamento, e precisam pagar pelas próprias fardas. Além disso, longe dos olhos dos turistas, dos cartões postais e sem patrulhamento do Exército, cujas tropas foram enviadas somente a Natal e Mossoró, o interior do Rio Grande do Norte sofre com a falta de policiamento nas ruas.

"Reivindicações por segurança serão a partir de agora constantes no Estado", disse Eliabe Marques, presidente da Associação dos Subtenentes e Sargentos da PM.

Duas decisões judiciais consideraram a paralisação ilegal. Em uma delas, o desembargador Claudio Santos determinou que os comandantes da PM, dos bombeiros e da Polícia Civil prendam em flagrante os agentes da segurança pública que promoverem, incentivarem ou colaborarem com a paralisação, mas nenhum agente foi preso.

FORÇAS ARMADAS

Para contornar a crise, o governo federal enviou tropas das Forças Armadas à capital e a Mossoró na noite de 29 de dezembro para fazer o policiamento ostensivo. São 2.800 homens do Exército, Marinha, Aeronáutica e Força Nacional de Segurança, que ficam no Estado pelo menos até 12 de janeiro (se o prazo inicial, de 15 dias, não for prorrogado).

Foi a terceira vez que o presidente Michel Temer (PMDB) enviou militares ao RN em menos de dois anos. A primeira vez foi em agosto de 2016, para ajudar no policiamento durante uma série de ataques a ônibus e órgãos públicos. Em janeiro de 2017, as forças armadas também foram acionadas durante as rebeliões na penitenciária de Alcaçuz.

Sem polícia, os índices de violência aumentaram no Estado. Foram 106 mortes violentas nos primeiros 15 dias sem policiamento nas ruas, uma média de 7 mortes por dia, segundo levantamento do Obvio (Observatório da Violência Intencional do Estado), entidade que analisa estatísticas locais de violência.

Nos 15 dias anteriores à paralisação, foram 75 homicídios, segundo o órgão. Uma média de 5 mortes por dia.

Assim, 2017 bateu o recorde como o ano mais violento do RN, com 2.408 assassinatos, contra 1.995 em 2016, segundo o observatório. A proporção de crimes foi de 68,7 casos a cada 100 mil pessoas.

Em 2016, quando a taxa nacional era de 29,7 mortes violentas a cada 100 mil habitantes, o RN foi o segundo Estado mais letal do país, com taxa de 57 mortes violentas segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, atrás de Sergipe, com taxa de 64 casos.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas de Cotidiano

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber