Cotidiano

Guarda municipal é exonerado no Paraná por não fazer a barba

Da Redação ·
Polêmica teve início em fevereiro deste ano, quando o GM Kleverson Cesar Dutra foi trabalhar com a barba por fazer - Foto: Arquivo pessoal
Polêmica teve início em fevereiro deste ano, quando o GM Kleverson Cesar Dutra foi trabalhar com a barba por fazer - Foto: Arquivo pessoal

O guarda municipal Kleverson Cesar Dutra, que trabalhava na corporação em Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais do Paraná, foi exonerado do cargo por se recusar a fazer a barba. Após receber advertências sobre a conduta, o guarda sofreu um processo administrativo que o levou a ser afastado da função pública.

continua após publicidade

A situação teve início em fevereiro deste ano, quando o guarda foi trabalhar com a barba por fazer. Na ocasião, ele prestava serviço em um Centro de Educação Infantil e o coordenador fez um relatório aos superiores relatando o ocorrido.

Kleverson alega não ser obrigado a cumprir o regulamento que prevê homens com barba feita e cabelo curto e, as mulheres, com cabelo preso. A alegação do guarda está embasada na lei 13.022/2014, art. 14, parágrafo único, que diz não ser obrigado o guarda municipal a cumprir regulamentos disciplinares de natureza militar.

continua após publicidade

Ele chegou a ser advertido várias vezes pela corporação e resolveu procurar a justiça depois que foi exonerado pela prefeitura por indisciplina. Recentemente, o guarda municipal ganhou uma decisão judicial em caráter liminar e foi reintegrado ao posto. 

A assessoria de imprensa da Prefeitura afirmou que a exoneração não foi em decorrência do uso da barba. Confira na íntegra: 

A Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, através da Secretaria Municipal de Cidadania e Segurança Pública (SMCSP), esclarece que a exoneração não foi em decorrência do uso de barba, mas por constatada indisciplina do guarda municipal em relação às orientações dos seus coordenadores sobre a situação. 

continua após publicidade

Por fim, a SMCSP informa que está recorrendo da decisão e que, em cumprimento à ordem judicial, todas as medidas necessárias para a reintegração do guarda municipal à instituição também já foram tomadas. Atualmente, ele segue normalmente com os trabalhos no município.

Com informações da Ricmais