Cotidiano

Menino de 14 anos é picado por cobra de estimação e morre após procurar socorro on-line

Da Redação ·
Foto: Pixabay/Imagem ilustrativa
Foto: Pixabay/Imagem ilustrativa

Um adolescente de 14 anos morreu após ser picado por sua cobra de estimação recentemente na Indonésia. O menino, identificado como Aril, postou imagens nas redes sociais pedindo socorro, mas o veneno o matou menos de 12 horas após a publicação.

continua após publicidade

A vítima postou fotos em sua conta do WhatsApp por volta das 9h50, horário local. Informações apuradas por autoridades da Indonésia indicam que o adolescente havia dado um banho no réptil — uma serpente — e, ao tentar tirar uma foto, a cobra venenosa o atacou. “Por que não sorri um pouco?”, postou ele na legenda em que a cobra aparece.

Após algum tempo, era possível ver o braço de Aril ensanguentado com o texto: “Entre a vida e a morte”. Ele ainda fez um torniquete (amarrou um cadarço no membro) para tentar de impedir que o veneno se espalhasse pelo resto do corpo.

continua após publicidade
Menino de 14 anos é picado por cobra de estimação e morre após procurar socorro on-line fonte: Reprodução

Após algum tempo, era possível ver o braço de Aril ensanguentado
com o texto no WhatsApp : “Entre a vida e a morte” - Foto: AsiaWire

Sozinho em casa
No momento do incidente, o menino estava sozinho em casa e teria escrito em outra postagem: “Se alguém se considera meu amigo, por favor, me leve até um hospital”. Aril foi levado a centro de saúde cerca de uma hora depois dos apelos, mas não resistiu ao potente veneno da cobra e morreu no mesmo dia.

Menino de 14 anos é picado por cobra de estimação e morre após procurar socorro on-line fonte: Reprodução

Aril foi levado a centro de saúde cerca de uma hora depois dos apelos,
mas não resistiu ao potente veneno da cobra e morreu no mesmo dia
Foto: AsiaWire

continua após publicidade

Mais de 12 cobras
O adolescente tinha mais de 12 cobras. Ele era um membro ativo de uma ONG que, ao fazer performances com répteis perigosos nas ruas, conseguia dinheiro para ajudar vítimas de tragédias.

Com informações do jornal britânico Daily Mail