Mais lidas
Cotidiano

Professora que acusa motorista de Uber de estupro era virgem, aponta laudo

.

Amanda Goulart quer que motorista pague por ato criminoso -. Foto: Antônio Nascimento/Banda B
Amanda Goulart quer que motorista pague por ato criminoso -. Foto: Antônio Nascimento/Banda B

Laudo de conjunção carnal da Polícia Científica, divulgado nesta quinta-feira (23) pela defesa da professora Amanda Goulart, confirma que a jovem de 27 anos foi abusada sexualmente na madrugada de 30 de outubro, em Curitiba. Conforme o documento, obtido pela Rádio Banda B, Amanda era virgem até o momento do estupro. A vítima acusa um motorista do aplicativo Uber de se aproveitar da embriaguez dela para o crime.

Conforme o advogado Edson Facchi, o laudo confirma a versão da professora de inglês, nos dias após o crime. “A Amanda está bastante abalada, sofrendo de transtornos psicológicos e chegou a ser levada para fora de Curitiba. Queremos agora que o autor seja punido, esse caso não vai ficar impune”, disse.

O exame ginecológico aponta que o hímen teve um rompimento recente “às seis horas, com presença de sangue nas bordas e presença de equimose junto à fúrcula vaginal”. Para Facchi, isso evidencia a versão das dores sentidas por Amanda ao acordar. 

“O laudo é categórico em afirmar que houve conjunção carnal e, mais, que a Amanda tinha preservada sua virgindade aos 27 anos. Vamos agora ler o inquérito policial e aguardar as câmeras de segurança, mas houve a conjunção, o que afirma e reafirma o que a Amanda disse. Entretanto, estamos aguardando a conclusão de todos os laudos”, concluiu o advogado.

Os demais pontos do exame não confirmam se houve uso de violência para a prática do abuso e que, de causa médica, não haveria impedimentos para a vítima reagir.

Após a acusação, o motorista foi banido do aplicativo Uber. Ele excluiu o perfil pessoal da rede social Facebook, mas antes comentou, em uma das publicações de Amanda sobre o caso, negando que tenha praticado o crime. Segundo a polícia, ele é de Santa Catarina e esteve no aplicativo por quatro meses.

O abuso
Segundo a acusação de Amanda, o abuso sexual aconteceu no bairro Portão. O caso aconteceu na madrugada de 30 de outubro, quando a vítima pediu por uma corrida por volta das 2 horas e, apesar do trajeto ser de seis minutos, teria ficado uma hora rendida pelo abusador.

A professora de inglês, de 27 anos, havia saído de uma despedida dos pais de amigos, no bairro Portão, quando acabou sofrendo o abuso. Ela teria tomado vinho e, possivelmente, o condutor se aproveitou da vulnerabilidade dela.

O motorista nega todas as acusações e promete processar Amanda, informação essa divulgada pelo próprio em uma rede social.

As informações são do portal da Rádio Banda B

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber