Mais lidas
Cotidiano

Sal rosa e seus reais benefícios para saúde

.

Uma das principais vantagens desse sal está na quantidade de sódio que ele possui
Uma das principais vantagens desse sal está na quantidade de sódio que ele possui

Sensação na culinária e no mundo saudável, o sal rosa do Himalaia passou a causar algumas dúvidas, afinal, ele é ou não é benéfico para a saúde? Qual sua origem? Seus componentes? As diferenças entre o sal do Himalaia e o sal “comum” já começam pela coloração. O sal do Himalaia possui uma coloração rosada, graças a concentração de minerais como o óxido de ferro na sua composição.

Porém, pode existir uma certa variação na cor das pedras desse tipo de sal, isso acontece devido a concentração de óxido de ferro em cada uma delas, que é quem dá o tom rosa.  Como é um produto extraído naturalmente, não há um padrão. Existem pedras de sal quase brancas e outras quase vermelhas. 

Livre de toxinas e poluentes e recolhido em depósitos seculares do Himalaia, o sal rosa é considerado o tipo mais puro do planeta. O nome “sal do Himalaia” refere-se às cordilheiras do Himalaia, que são uma formação rochosa com 2500km de extensão entre Paquistão, Índia, China (que inclui o Tibete), Nepal e Butão.

Segundo a nutricionista Aline Quissak, uma das principais vantagens desse sal está na quantidade de sódio que ele possui, em média 300mg de sódio em 1g de sal, enquanto o sal branco refinado tem em média 500mg de sódio em 1g de sal. “Além do sódio, o sal rosa contém uma variedade de minerais, que trazem benefícios extras, além de salgar os alimentos e preparações. Dessa forma, ele é mais indicado para os hipertensos”, comenta.

A principal diferença entre os sais é a fonte de extração. O sal “comum” é extraído do oceano e passa pelo processo industrial de refino e branqueamento com agentes químicos. Ainda na sua produção, há adição de antiumectantes, substância que diminuem a absorção de umidade do ar dos alimentos, impedindo que as partículas do alimento se unam a outras devido à umidade. 

Já o sal rosa passa apenas pelo processo de iodação (obrigatório em lei) e envase, com isso há menos aditivos químicos. “Como esse tipo de sal tem menos aditivos químicos, nosso corpo acaba sendo beneficiado, já que ele não precisa forçar nossos órgãos, como fígado e rins, para o processo de limpeza e desintoxicação desses compostos”, explica a nutricionista.

No quesito sabor, o sal do Himalaia é mais agradável e suave do que o sal de cozinha refinado. Na hora de preparar os alimentos é bom ficar atento a temperatura de preparo, já que em temperaturas muito altas alguns minerais podem ser perdidos, e dependendo do prato, o mais indicado é utilizar o sal após o cozimento para equilibrar e acentuar o sabor. 

Aqui, a nutricionista alerta para a quantidade de sal usada em cada preparo. “É bom ficar atento a quantidade usada de sal, como ele ‘salga menos’ por ter menor teor de sódio, ao invés de adicionar mais sal, o ideal é adicionar mais especiarias e ervas como orégano, manjericão, tomilho, pimenta do reino, raspas de limão, alho e cebola, que ajudam a dar mais sabor aos preparos mantendo-os mais saudáveis”, complementa.

Quanto ao flúor, um dos minerais presentes no sal, ele é um flúor natural que está presente em diversos alimentos como abacate, maçã, arroz, feijão, frutos do mar, alho e até na água. Tanto flúor quanto o iodo, foram adicionados ao sal para evitar algumas doenças na população por deficiência desses minerais. Para a nutricionista, essas informações também devem ser avaliadas, já que podem existir adulterações em algumas marcas de sal. “Atualmente, a dosagem usualmente aplicada e que se mostra mais eficaz na prevenção da cárie com menores possibilidades de risco do aparecimento de fluorose é de 250ppm (250mg de flúor por Kg de sal).  Esse método é reconhecido pela Organização Mundial de Saúde como um método viável, prático, seguro e eficiente, porém, em termos nacionais, não ocorreu efetivamente um controle adequado do teor de flúor agregado ao sal, sendo assim, a Portaria nº 851, de 1992, revogou definitivamente a fluoretação do sal no Brasil”.

Outra polêmica do sal rosa é sobre a pureza desse produto, uma vez que todo sal deve ser capaz de ser dissolvido na água. A especialista explica que o mineral que se dissolve em água é o Na+, como o sal refinado tem mais sódio, ele se dissolve melhor que o rosa. Mas que o sal roda de boa procedência deve sim diluir em um líquido (água de cozimento do seu macarrão, nos legumes, dentre outros). 

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber