Mais lidas
Cotidiano

Marinha argentina busca submarino desaparecido com 44 tripulantes

.

IGOR GIELOW

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um submarino argentino com 44 tripulantes está desaparecido desde a manhã quarta (15). A Marinha do país lançou uma operação de resgate, envolvendo duas corvetas e aviões de patrulha marítima.

O ARA San Juan estava em um exercício de vigilância na zona econômica exclusiva marítima argentina a cerca de 400 km a leste de Puerto Madryn, na Patagônia (sul do país). Ele se dirigia de volta à sua base em Mar del Plata, ao norte, quando as comunicações foram interrompidas.

Há relatos na imprensa local de que houve um incêndio nas baterias do barco, mas a Marinha argentina não confirma a informação. Há poucos dados sobre o caso. Nesta sexta (17), havia um boato de que o barco havia sido encontrado, mas ele foi negado pelo porta-voz da Marinha.

A tripulação inclui Eliana María Krawczyk, 35, a primeira submarinista da América do Sul. Estados Unidos, Reino Unido e Chile ofereceram ajuda ao governo argentino com embarcações e imagens de satélite para encontrar a embarcação.

A circunstância evoca um tragédia ocorrida no ano 2000, quando o submarino nuclear russo Kursk sofreu uma explosão no seu compartimento de armas e afundou no mar de Barents -os 118 tripulantes morreram, muitos por asfixia.

O San Juan é um aparelho bastante diferente. Menor em proporções, de propulsão que combina motores a diesel (para uso na superfície) e elétrico (quando submerso), é uma arma de patrulha e ataque com torpedos.

Ele é um dos três submarinos à disposição de Buenos Aires. Ele faz parte da classe TR-1700, construída pela Alemanha a pedido da Argentina. Dois dos seis barcos desse modelo foram entregues, mas o programa não foi adiante. A embarcação irmã do San Juan, o Santa Cruz, está em atividade.

O terceiro modelo em operação pelo país é da classe Tipo-209, a mesma que tem quatro barcos em uso no Brasil -que optou em 2009 por deixar o submarino alemão em favor do francês Scorpène, que terá quatro unidades feitas no país antes de avançar para um de propulsão nuclear. O programa argentino com os alemães era semelhante ao brasileiro dos anos 1980, prevendo construção local após a entrega das primeiras unidades, mas acabou ficando só nos dois barcos feitos na Europa.

O San Juan foi completado em 1985, e passou por uma longa revisão para lhe dar mais 30 anos de vida útil, que acabou em 2013. A Marinha argentina, como suas Forças Armadas de forma geral, passam por um processo de degradação acelerada há muitos anos. Possui 11 navios principais de superfície, 3 submarinos, 16 embarcações de patrulha costeira, entre outros.

Avaliação do "Balanço Militar" do Instituto Internacional para Estudos Estratégicos, de Londres, considera que o país pode ter um incremento em sua capacidade militar sob o governo de Mauricio Macri, mas isso ainda é incerto. O gasto com defesa em 2016 foi de 0,92% do PIB -o Brasil gastou no período 1,4% do PIB, mas o número camufla fatos como o de que 73% do valor foi para pagamento de pessoal.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber