Mais lidas
Cotidiano

Macron 'convida' premiê libanês e família para a França

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente Emmanuel Macron convidou o premiê libanês, Saad Hariri, e sua família para a França, afirmou o Palácio do Eliseu em um comunicado nesta quarta-feira (15).

O anúncio ocorre após o presidente do Líbano, Michel Aoun, afirmar que Hariri e sua família estavam sendo mantidos como reféns pela Arábia Saudita em Riad.

"Após falar com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman e com o premiê libanês, Saad Hariri, o presidente [Macron] convidou Saad Hariri e sua família para a França", afirmou o Eliseu.

Uma fonte do palácio ouvida pela agência Reuters afirmou que a família Hariri chega a Paris nos próximos dias.

"Não vamos aceitar que ele permaneça um refém cujo resgate não sabemos qual é", afirmou Aoun em um comunicado. "Nada justifica que Hariri não tenha retornado em 12 dias. Por isso consideramos que ele esteja detido."

Ele acrescentou que a família de Hariri também estava detida em sua casa na Arábia Saudita, sendo revistada sempre que entra ou sai.

Hariri renunciou abruptamente ao cargo de premiê em um comunicado transmitido pela TV da capital saudita, Riad, em 4 de novembro, jogando o Líbano em meio a uma disputa de poder entre a Arábia Saudita e o Irã. Desde então, ele não retornou ao país, mas prometeu fazê-lo nos próximos dias.

Hariri negou que estivesse detido. Riad nega que o tenha sequestrado ou forçado a renunciar.

Mais cedo, Hariri havia escrito no Twitter que estava "perfeitamente bem" e que voltaria "se Deus quiser, ao querido Líbano, como prometi". Na quarta-feira, ele disse que voltaria em dois dias, mas que sua família ficaria na Arábia Saudia, "seu país".

Hariri tem nacionalidade saudita e a fortuna de sua família é baseada na companhia de construção Saudi Oger, construída por seu pai, Rafik Hariri, que serviu duas vezes como premiê libanês e foi assassinado em 2005.

Antes, a previsão era que o chanceler francês, Jean-Yves Le Drian, fosse a Riad para se encontrar tanto com o príncipe Salman, quanto com Hariri.

A França tem laços próximos com o Líbano, que esteve sob controle francês no período entre guerras.

A renúncia de Hariri abriu uma crise no país do Oriente Médio, ampliando uma disputa de poder entre a Arábia Saudita e o Irã

Hariri sempre foi um aliado da Arábia Saudita no Líbano, enquanto Aoun é aliado político do Hizbullah, grupo islâmico xiita com fortes laços com o Irã e que os sauditas considera uma organização terrorista.

O governo de coalizão do Líbano foi formado no ano passado após um acordo político que tornou Aoun presidente, Hariri premiê e que incorporou membros do Hizbullah no gabinete.

A Constituição libanesa determina ainda que o presidente seja sempre cristão, o premiê, muçulmano sunita, e o chefe do Parlamento, muçulmano xiita.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber