Cotidiano

Rebelião em Penitenciária do Paraná acaba depois de 43 horas

Da Redação ·
Polícia em frente à Penitenciária de Cascavel na manhã deste sábado (11) - Foto: Cícero Bittencourt/RPC
Polícia em frente à Penitenciária de Cascavel na manhã deste sábado (11) - Foto: Cícero Bittencourt/RPC

Após 43 horas de muita tensão, chegou ao fim a rebelião na Penitenciária Estadual de Cascavel (PEC), no oeste do Paraná. O fim do motim foi confirmado pela Secretaria de Segurança Pública (Sesp) às 10h30 deste sábado (11). O terceiro e último refém – um agente penitenciário – foi liberado e passa bem.

continua após publicidade

Segundo a Sesp, a Polícia Militar (PM) e Setor de Operações Especiais (SOE) estão entrando no local neste momento.

A rebelião
Centenas de presos estavam rebelados desde a tarde de quinta-feira (9). Durante a madrugada deste sábado, houve uma tentativa de fuga, segundo a PM, porém, a princípio ninguém fugiu. Um preso ficou ferido durante esta tentativa de fuga.

continua após publicidade

No início desta manhã, ambulâncias e um médico do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foram à PEC para atender feridos. A polícia retornou a negociação com os detentos por volta das 6h. Outro refém também foi liberado neste sábado, mais cedo.

Informação retificada
Na manhã de sexta-feira, o Departamento Penitenciário do Estado do Paraná (Depen) relatou que dois presos foram mortos na rebelião. Contudo, no início da noite, o diretor do Depen, Luiz Cartaxo, retificou a informação, e disse que uma morte foi confirmada e que há a suspeita de uma segunda morte, que só seria apurada quando terminasse o motim.

O Depen informou que 270 presos tinham sido transferidos para a penitenciária ao lado da PEC. Portanto, cerca de 700 continuavam na PEC. A Sesp acrescentou que a penitenciária foi projetada para receber 1.160 presos, mas abrigava 980 antes da rebelião.

continua após publicidade

Qualidade dos alimentos
A comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Cascavel relatou que os rebelados reclamam da qualidade dos alimentos servidos e do tratamento dado aos visitantes.

Com informações da RPC