Facebook Img Logo
Mais lidas
Cotidiano

Com filmes rentáveis, horror passa de gênero ignorado a salvação de Hollywood

.

RODRIGO SALEM

LOS ANGELES, EUA (FOLHAPRESS) - A temporada de maio a agosto é conhecida na indústria cinematográfica como o Verão Americano. Grandes estúdios lançam seus blockbusters. Os executivos aproveitam as maiores férias escolares para atrair os jovens com suas ideias de melhor produto de cinemão pipoca. É hora de lucrar. Mas não foi isso que aconteceu em 2017. Hollywood viu os números caírem quase 15% em relação a 2016. A bilheteria do Verão Americano ficou abaixo dos US$ 4 bilhões, o que não acontecia desde 2006.

Resultado do desempenho pífio de franquias como "Rei Arthur", "Valerian e a Cidade dos Mil Planetas", "Transformers: O Último Cavaleiro" e "Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar".

Um gênero desprezado, os filmes de horror, antes relegados a datas de estreia pouco disputadas, está salvando Hollywood, mesmo que sua importância nas maiores bilheterias pareça discreta.

Entre os dez filmes de maior bilheteria de 2017 no mundo, só "It: A Coisa" (9º lugar) é um filme de horror, com acumulado de US$ 667 milhões. Mas o longa tem orçamento de US$ 35 milhões, o segundo menor da lista —atrás do fenômeno chinês "Wolf Warrior 2", que custou US$ 30 milhões e rendeu US$ 850 milhões no seu mercado local.

Os produtores americanos perceberam que obras com baixo orçamento significam menos riscos. Longas de horror, em geral, não precisam de grandes astros, mas de um bom projeto de marketing e um mínimo de qualidade.

Além disso, a maioria deles já entra em cartaz sem pressão, pois os direitos de distribuição internacional são vendidos com facilidade.

O sucesso fora é avassalador. "Resident Evil 6: O Capítulo Final" teve orçamento de US$ 40 milhões e rendeu US$ 27 milhões nos cinemas americanos. Fracasso retumbante se não fossem os US$ 285 milhões em outros países.

O mesmo ocorreu com Tom Cruise em "A Múmia", concebido para iniciar o universo de horror da Universal: faturou US$ 80 milhões nos EUA e fechou em US$ 329 milhões no total —com orçamento de US$ 125 milhões.

Há um fenômeno oposto. O thriller "Corra!" rendeu US$ 175 milhões nos EUA e só US$ 77 milhões nos outros países. Com orçamento de US$ 4,5 milhões, o filme é um dos mais lucrativos do ano.

Por trás de "Corra!" está um selo que ajudou a transformar o terror: a produtora Blumhouse. Capitaneada por Jason Blum, é especializada em longas de baixo orçamento com retornos absurdos, como as séries "Atividade Paranormal", "Sobrenatural" e "Uma Noite de Crime".

Em 2017, Blum resgatou o diretor M. Night Shyamalan ("O Sexto Sentido") para o sucesso, produzindo "Fragmentado" por US$ 9 milhões e arrecadando US$ 278 milhões.

E comemora "A Morte te dá Parabéns!", que gerou, em duas semanas, US$ 70 milhões —com orçamento de apenas US$ 4,8 milhões.

Ironicamente, não é dele "It: A Coisa". A nova adaptação do livro de Stephen King ganhou boas críticas e se tornou o filme de terror de maior bilheteria da história, batendo "O Exorcista" (1973). A segunda parte sai em 2019.

A Warner, com os US$ 304 milhões de "Annabelle 2: A Criação do Mal", também viu a franquia criada pelo sucesso de "Invocação do Mal", em 2013, chegar a US$ 1,2 bilhão.

A soma total do orçamento dos quatro filmes da série gira em US$ 82 milhões —"Batman vs Superman: A Origem da Justiça" (2016) custou US$ 250 milhões e rendeu US$ 873 milhões.

O quinto filme está em produção. "A Freira" estreia em 13 de julho de 2018. Uma sexta-feira, 13. Ao contrário das outras, será bem-vinda no meio do Verão Americano.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Cotidiano

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber