Facebook Img Logo
Mais lidas
Cotidiano

Polícia sabia que atirador do Texas fugiu de hospital psiquiátrico em 2012

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O atirador que matou 26 pessoas em uma igreja batista no Texas no domingo (5) fugiu de uma instituição psiquiátrica no Novo México, em junho de 2012.

A informação é de um relatório da polícia de El Paso, cidade onde Devin Kelley, à época com 21 anos, foi encontrado após escapar de um hospital em Santa Teresa.

Segundo o documento, obtido pela emissora KPRC TV de Houston e divulgado nesta terça-feira (7), Kelley foi internado após ser acusado de agredir a mulher e o filho -uma das agressões deixou o bebê com uma fratura no crânio.

O relatório policial afirma que o funcionário do hospital que reportou o desaparecimento de Kelley do hospital avisou que ele "sofria de distúrbios mentais" e que ele "tentava consumar ameaças de morte" contra "seus superiores militares".

Kelley "era um perigo para ele mesmo e outros, pois já havia sido pego contrabandeando armas de fogo para a Base Aérea Holloman". Ele serviu nessa base da Força Aérea dos EUA no Novo México entre 2010 e 2014.

Meses depois, ainda em 2012, Kelley foi condenado por uma corte marcial pelas agressões à mulher e ao filho e foi sentenciado a passar um ano em uma prisão militar. Ele teve a patente reduzida e depois foi dispensado por má conduta.

A polícia disse nesta terça-feira que ainda não tem detalhes sobre a motivação da chacina. Na segunda-feira (6), os investigadores afirmaram que o estopim teria sido uma "situação doméstica" e o atirador não teria tido motivações religiosas ou raciais. O caso não é investigado como terrorismo. O FBI (polícia federal) agora tenta obter informações do celular de Kelley.

Os sogros de Kelley frequentavam a igreja, mas o casal não estava no local no domingo.

O atirador matou 23 pessoas dentro da igreja e duas do lado de fora. Outra vítima morreu quando era levada ao hospital. A idade dos mortos vai de 5 a 72 anos. Sutherland Springs, a 48 km de San Antonio, tem menos de 700 habitantes.

"Temos muitos problemas de saúde mental em nosso país, como outros países têm. Mas essa não é uma situação de armas", disse Donald Trump na segunda. O presidente americano se esquivou do debate do controle de armas, que sempre vem à tona nos EUA após chacinas como a do Texas e a de Las Vegas, em outubro, quando 58 pessoas morreram.

Um casal que sobreviveu ao ataque contou nesta terça-feira à rede de TV KSAT, de San Antonio, que o atirador percorreu todas as alas da igreja batista em busca de vítimas para matar.

Rosanne Solis e Joaquin Ramirez estavam sentados próximos à entrada da igreja. Solis afirmou que os fieis começaram a gritar e se jogaram ao chão. Ela disse que podia ver as balas voando e pessoas caindo, ensanguentadas.

Por um momento, disse ela, o atirador pareceu parar e ela pensou que a polícia havia chegado. Mas então ele entrou na igreja e voltou a atirar, inclusive em bebês que choravam com o barulho.

O casal sobreviveu após se fingir de morto. Apesar disso, Solis foi atingida no braço e Ramirez teve ferimentos por estilhaços de bala.

"O Senhor me salvou porque eu sei que aquele era meu último dia", afirmou Solis.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Cotidiano

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber