Mais lidas
Cotidiano

Prova de humanas exigiu preparo de aluno, diz professor

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A prova de ciências humanas e linguagens do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) exigiu preparo dos candidatos neste domingo (5), segundo professores de cursinhos preparatórios.

Para Paulo Moraes, diretor de ensino do Anglo Vestibulares, a prova de geografia foi bem feita e a de português, densa. "Um aluno fraco, médio, que não se preparou, não se sai bem nessa prova. Para conseguir compreender as questões, era preciso ter estudado o conteúdo."

Segundo ele, a prova foi mais difícil do que exames passados. "Foi uma prova de humanas mais densa que o normal, era preciso estar ligado em atualidades. Subiu-se um pouco a régua", afirma.

De acordo com Célio Tasinafo, coordenador pedagógico da Oficina do Estudante, de Campinas (SP), a prova foi carregada de questões sobre direitos humanos.

O tema, que liderou o debate nos dias que antecederam a realização desta edição do exame, esteve apareceu em questões sobre a declaração universal dos direitos humanos e terras indígenas. A correção extra oficial da Oficina do Estudante está disponível em http://www.oficinadoestudante.com.br/correcao-de-vestibulares-online/?codigo=5556&dia=191&ano=

Para Tasinafo, esta foi a prova que mais se diferenciou das edições anteriores. Com textos mais enxutos do que a prova de linguagens, ela exigia conhecimentos específicos das disciplinas para resolução das questões, segundo o coordenador.

Na parte de linguagens, como em anos anteriores, os textos longos e abundantes exigiam atenção do candidato.

"A diversidade de linguagens, contemplando vários gêneros, como poesia, propaganda e imagens, também foi uma marca desta prova. O aluno que se preparou para lidar com essas diferentes linguagens se saiu melhor", afirma Tasinafo.

QUESTÃO DÚBIA

De acordo com o professor Eduardo Figueiredo, do Colégio Objetivo, há uma questão com duas respostas consideradas corretas na prova. Ela aborda a Lei das Doze Tábuas, que deu origem à Constituição romana. Há duas alternativas que definem o termo jurídico corretamente: "invenção de códigos jurídicos que desarticulou as aristocracias" e "criação de normas coletivas que diminuiu a desigualdade de tratamento".

"É uma questão dúbia que pode deixar o aluno confuso", disse o professor.

Além disso, ele chamou atenção para a complexidade dos textos que os alunos tinham que ler para responder as questões. "Foram usados textos profundos, de filósofos como Sócrates, Kant e Aristóteles. Em média, o aluno tem três minutos para cada questão, é complicado", diz.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber