Cotidiano

Após 48 dias preso, homem ganha liberdade após preso confessar estupro seguido de morte

Da Redação ·
Luiz da Silva Lemos, de 41 anos, abraça a irmã após ser deixar a cadeia - Foto: André Almenara
Luiz da Silva Lemos, de 41 anos, abraça a irmã após ser deixar a cadeia - Foto: André Almenara

Após ficar 48 dias preso sob suspeita de ter matado e estuprado a dona de casa Isabel dos Santos, de 51 anos, em Sarandi (norte do Paraná), em 9 de setembro, Luiz da Silva Lemos, de 41 anos, deixou a cadeia pública na quarta-feira (1º). A Justiça autorizou a liberação dele após Francisco Wellington Pereira da Silva, de 28 anos, preso em Ponta Grossa, confessar o crime na terça (31).

continua após publicidade

Até então Luiz era o principal suspeito do crime, pois, conforme a Polícia Civil (PC), ele teria tentando forçar um relacionamento com Isabel e se mudado para Osasco (SP) no dia em que ela foi morta dentro de casa, no Jardim Ouro Verde. No entanto, em depoimento, o suspeito negou a autoria.  Foi expedido um mandado de prisão temporária (30 dias) e quando o prazo venceu a prisão foi prorrogada por mais 30 dias.

Após 48 dias preso, homem ganha liberdade após preso confessar estupro seguido de morte fonte: Reprodução

Luiz da Silva Lemos, de 41 anos, junto com o seu
advogado: liberdade após 48 dias Foto: André Almenara 

continua após publicidade

Quando ocorreu a prisão foi coletado sangue de Luiz para exame de confrontação genética com material (sêmen) colhido da vítima e encaminhado para Curitiba para análise, mas até o momento o resultado não saiu.

Outro suspeito
A Polícia Civil, no entanto, deu sequências às investigações o caso e descobriu outro suspeito. Francisco, que estava preso em Ponta Grossa desde o início de outubro, era morador de Sarandi e confessou, em depoimento, que matou e estuprou a mulher. A partir do relato, os advogados Emerson Faria e Elizandra Panoso entraram com o pedido de liberdade de Luiz, que foi solto ainda ontem.

Após 48 dias preso, homem ganha liberdade após preso confessar estupro seguido de morte fonte: Reprodução

Wellington Pereira da Silva, de 28 anos, preso em
Ponta Grossa, confessou o crime - Foto: André Almenara 

continua após publicidade

Em depoimento Francisco afirmou que teve um relacionamento amoroso com Isabel durante dois anos. Ele relata que, no dia do crime, tomou banho na casa dela e deu uma "gravata" na mulher, a matando e, na sequência, a estuprou por cinco minutos. Depois, ele tomou outro banho na casa e foi embora. Ainda segundo ele, o filho adotivo de Isabel dormia no local enquanto tudo acontecia.

As informações são do ODiário