Facebook Img Logo
Mais lidas
Cotidiano

Diretor e professora são afastados dos cargos após exposição polêmica em escola 

.

Pai denunciou a exposição à polícia. Foto: reprodução/G1
Pai denunciou a exposição à polícia. Foto: reprodução/G1

A Secretaria de Estado da Educação (Seed) determinou o afastamento temporário de uma professora e do diretor do Colégio Estadual Dom Geraldo Fernandes de Cambé, no norte do Paraná, após uma polêmica exposição realizada na instituição. A mostra abordou temas como suicídio, aborto e intolerância religiosa, que segundo a direção, foram escolhidos pelos próprios alunos. O inquérito foi instaurado após um pai de aluno procurar a polícia. 

De acordo com a Seed, os profissionais foram afastados para não ocorrer interferência ao andamento das investigações.

A exposição foi organizada por alunos do último ano do ensino médio, e foi aberta aberta à toda a comunidade. O delegado-chefe da 10ª Subdivisão Policial, Osmir Ferreira Neves, disse que a investigação foi aberta da Delegacia de Cambé após um pai procurar a delegacia e pedir que fossem apuradas algum tipo de apologia a práticas ilícitas. 

O delegado ressalta que é importante respeitar a liberdade de expressão, que deve ser garantida, exceto em casos onde haja alguma violação à Constituição Federal ou à legislação vigente.

A direção do Núcleo Regional de Educação informou que também será aberto um processo administrativo para apurar o caso.

A direção e professores do Colégio Estadual Dom Geraldo Fernandes divulgaram uma carta aberta. Leia na íntegra. 

O trabalho
O diretor e a professora responsável pela turma prestaram depoimento na delegacia, no domingo (29). Conforme relatado à polícia, para desenvolver o trabalho, a professora perguntou quais as angústias da comunidade. 
Como resultado, os alunos produziram a exposição com imagens que remetem ao suicídio, aborto e até a críticas às religiões, com uma bíblia rasgada e queimada com manchetes de padres envolvidos em casos de pedofilia. 

Leia na íntegra a carta aberta divulgada pela direção
AOS PAIS, ALUNOS E COMUNIDADE DO COLÉGIO ESTADUAL DOM GERALDO FERNANDES 

Vimos através desta esclarecer à sociedade sobre os recentes acontecimentos envolvendo nossa comunidade e o desenvolvimento do processo ensino aprendizagem em nosso colégio. 

Na última semana do mês de outubro, mais especificamente no dia 26/10, os alunos do Colégio Dom Geraldo Fernandes realizaram a montagem de uma instalação nas dependências do colégio, baseada nas reflexões feitas em sala a partir do conteúdo estabelecido pelas Diretrizes Curriculares da Educação Básica. 

Por uma interpretação equivocada do trabalho, a postagem de um vídeo e fotografias sobre a instalação vincularam na internet gerando interpretações das mais variadas possíveis. 

As acusações, críticas, desabafos e insultos que estamos sofrendo geraram a necessidade de um esclarecimento mais aprofundado sobre o que realmente aconteceu na escola com vistas a tranquilizar pais, alunos e comunidade. 

Esclarecemos que os trabalhos foram realizados pelos alunos do 3o ano do ensino médio dentro da matéria de artes no tópico- arte conceituai que aborda temas atuais, fazendo com que o expectador possa refletir sobre eles. 

O conceito de arte que se quer representar nesse contexto é mais reflexivo do que estético ou sensorial.1 Durante as aulas, a docente procurou apresentar a proposta dessa corrente artística, pedindo aos discentes que escolhessem temas que lhes incomodassem em seu cotidiano, promovendo a reflexão filosófica, histórica, sociológica e a mediação didática sobre eles. 

Os temas escolhidos pelos estudantes foram: a pedofilia, o suicídio e o aborto dentre outros. Após a seleção dos assuntos a serem tratados, a turma realizou pesquisas e debates pertinentes, com posterior montagem da instalação que representava a síntese de todo o processo realizado. A linguagem utilizada estava adequada para a idade/série envolvida, sendo que, a partir da exposição deste trabalho, pretendia-se que houvesse um desdobramento da temática, com adaptações para cada faixa etária, uma vez que a docente atua em todas as turmas do ensino regular. 

Cabe lembrar que os assuntos não foram escolhidos de forma aleatória, mas representam problemas cotidianos enfrentados pela comunidade escolar, que lida diariamente com episódios como automutilação de alunos, gestação na adolescência, casos de abortos relatados pelas alunas, discentes com tendências suicidas, relatos de assédio e abuso sofridos pelos menores em ambientes diversos. 

Dessa forma, evidencia-se que a intenção da escola era prover o corpo discente de instrumentos para lidar com essas situações. 

A pertinência dos temas debatidos justifica-se pelos alarmantes dados do Ministério da Saúde que aponta um aumento de 12% dos casos de suicídio no Brasil, na faixa dos 15 aos 29 anos, sendo a quarta maior causa de morte entre jovens e que 66,1% dos casos ocorrem por meio do enforcamento. 

Como forma de combate, no ano de 2003, a Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio e a Organização Mundial da Saúde criaramo mês de prevenção ao suicídio, relembrado em setembro, pois, segundo a OMS, todos os anos morrem cerca de um milhão de pessoas por esta causa. 

O trabalho também foi influenciado pelo slogan da campanha do setembro amarelo "Falar é a melhor solução". 

O tema do aborto, também foi trabalhado principalmente porque segundo a OMS, a cada dois dias uma mulher morre no Brasil em decorrência de abortos clandestinos, sendo as maiores vítimas mulheres pobres, negras e moradoras das áreas de periferia, sendo este justamente o público atendido pelo Colégio. 

Neste trabalho, ao contrário do que vem se espalhando pelas redes sociais, não existe incentivo algum e sim evidenciar de que é proibido por lei, da agressividade e risco de vida que representa às gestantes. 

Destaque-se que a comunidade escolar busca trabalhar firmemente a ideia da prevenção da gravidez, orientando sempre a busca de profissionais especializados para orientá-las, evitando que nossas alunas cheguem a esse ponto extremo. 

Sobre o específico trabalho que abordou a pedofilia os estudantes tentaram expressar por objetos de forma visual que muitos dos casos foram reconhecidos pela igreja levando o Papa Francisco no ano de 2014 a pedir perdão formal às vítimas de pedofilia praticada por muitos sacerdotes contra fiéis, reconhecendo o problema e a necessidade do debate e de investigações sobre os casos, para que haja solução para esta chaga social. 

Ao abordar o tema, o colégio e os alunos não tiveram intenção de tornar as instituições religiosas em um alvo para discriminação, mas discutir um problema social do qual nossas crianças não estão seguras. 

Por todas estas razões, nosso pronunciamento tem como objetivo prestar esclarecimentos à sociedade, mediante toda a repercussão negativa promovida por pessoas estranhas à comunidade escolar, que contribuíram para a exposição dos alunos envolvidos e o julgamento moral da professora por indivíduos não qualificados profissional ou hierarquicamente para julgar o fazer docente. 

Como dito a mostra do trabalho dos alunos abordou temas atuais e polêmicos e nao teve intenção alguma de induzir, incentivar, fazer apologia e nem de desrespeitar nenhuma religião. 
A comunidade toda pode continuar confiando em nosso trabalho porque jamais realizaremos qualquer atividade que não tenha o objetivo acadêmico. 

Não somos criminosos nem ativistas! 
Somos professores com muito orgulho! 

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Cotidiano

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber