Mais lidas
Cotidiano

Temer aprova projeto e porte ilegal de fuzil passa a ser crime hediondo

.

MARINA DIAS

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Michel Temer sancionou nesta quinta (26) o projeto de lei que torna crime hediondo o porte e a posse ilegal de armas de fogo de uso restrito às Forças Armadas, como fuzis, metralhadoras e submetralhadoras.

Temer anunciou a sanção durante cerimônia fechada no Palácio do Planalto para a assinatura do contrato de financiamento entre a Caixa e a cidade do Rio de Janeiro no valor de R$ 652 milhões.

O autor do projeto, ex-senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), hoje prefeito da capital fluminense, era um dos convidados do evento.

"Na manhã de hoje sancionei esse projeto que impede o uso de armas de porte exclusivo do Exército, da Marinha, da Aeronáutica, porque é isso que aflige o povo do Rio de Janeiro", disse o presidente.

A medida ocorre em meio à ação das Forças Armadas no Rio para o combate ao crime organizado.

Os índices de violência no Estado alcançaram número elevados neste ano, com a morte de quase cem policiais, um a cada dois dias, além de homicídios e roubos em geral.

AFAGOS A MAIA

Diante de uma plateia de ministros, deputados e senadores, Temer fez questão de afagar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com quem estabeleceu, nos últimos meses, uma relação de desconfiança e disputa tácita.

O peemedebista se dirigiu nominalmente a Maia diversas vezes durante seu discurso de pouco mais de dez minutos e disse que foi sob a batuta do deputado à frente da Câmara que o governo criou "lei especial para resolver, inicialmente, a questão do Rio" e, em seguida, "outras questões estaduais que têm sido colocadas".

"Estando eu no exterior, Rodrigo [Maia] teve a alegria patriótica, por ser do Rio de Janeiro, de assinar o projeto de recuperação fiscal do Rio", disse Temer.

Na ocasião, como presidente em exercício, Maia chorou ao sancionar o documento.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber