Mais lidas
Cotidiano

Demi Lovato responde a 'haters' em novo álbum e diz que quer vir ao Brasil

.

STEPHANIE RICCI

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Dois anos após atingir o primeiro lugar no ranking mundial do iTunes, Demi Lovato lançou no fim de setembro seu sexto álbum de estúdio, "Tell Me You Love Me".

A primeira música divulgada, "Sorry Not Sorry", chegou ao top 5 das mais tocadas na plataforma de downloads e seu clipe, que simula uma "house party" com Paris Hilton, Jamie Foxx e Wiz Khalifa, ultrapassa 193 milhões de visualizações no YouTube.

Segundo a cantora, o single foi uma resposta aos "haters". "Quando o compus, estava pensando sobre como sofria bullying na escola e como a minha vida é incrível agora. Ela é para qualquer hater que eu já tive", disse em entrevista à Folha de S.Paulo.

A artista diz que as faixas do novo disco transitam entre o R&B e o pop e são baseadas em experiências pessoais.

"Eu pensei mais pra fazer esse disco do que pra qualquer outra coisa que eu tenha lançado antes. Tem músicas sobre sofrer por amor, se apaixonar. Tem muito a ver com o complicado um ano e meio que eu tive", diz a cantora, que em maio terminou seu relacionamento com o lutador brasileiro de MMA Guilherme Vasconcelos, conhecido como "Bomba".

Todo o processo de criação do álbum foi filmado para o documentário "Demi Lovato - Simply Complicated" ("Demi Lovato - Simplesmente Complicada"), disponível no YouTube desde a semana passada (dia 17).

"Meu filme conta como está sendo fazer 25 anos, morar sozinha, criar um álbum, conviver com meus amigos e minha família. Meus fãs vão conseguir enxergar por dentro como a minha vida é hoje", diz Lovato.

Não é a primeira vez que a cantora abre a sua vida para o público. Em 2013, publicou o livro "365 Dias no Ano", em que relata numa compilação de posts do seu Twitter parte de sua conturbada trajetória lidando com depressão, bipolaridade, transtorno alimentar e dependência química.

Filha da atriz Dianna Hart e do músico morto em 2013 Patrick Lovato, a então atriz da Disney suspendeu em 2010 sua turnê mundial com a banda Jonas Brothers para se internar num centro de reabilitação. Seus pais também apresentavam histórico de envolvimento com drogas e transtornos psicológicos. A decisão foi tomada após Demi agredir uma integrante de sua equipe durante um show. Segundo ela, na época não conseguia "ficar mais de uma hora sem cocaína" e já chegou a beber quase uma garrafa inteira de vodca pela manhã.

Praticante de boxe e sóbria há cinco anos, a jovem diz que está bem e que não pensa em voltar a atuar, além de ter planos de retornar ao Brasil em 2018.

"Espero ir ao Brasil no ano que vem. Eu quero fazer uma turnê mundial e não teria muito tempo para atuar. Estou realmente focada na minha música", diz.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber