Mais lidas
Cotidiano

Aliança de Macri terá maior bancada no Congresso; aliado vence Cristina

.

SYLVIA COLOMBO

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - Os números oficiais da apuração da eleição legislativa argentina , realizada neste domingo (22), com mais de 90% das urnas apuradas em todo o país, indicam que a aliança Mudemos, do presidente Mauricio Macri, terá a maior bancada no Congresso a partir de dezembro.

O governo também venceu a disputa para o Senado da província de Buenos Aires, a mais importante do pleito. Com 99,19% das urnas apuradas à 0h15 (1h15 em Brasília), o ex-ministro da Educação Esteban Bullrich tinha 41,38% contra 37,25% da ex-presidente Cristina Kirchner.

Os resultados apontavam também para uma vitória do Mudemos em várias províncias importantes, como Córdoba, Entre Ríos, Santa Fe, Mendoza e também em Santa Cruz, bastião kirchnerista.

Entre elas, uma surpresa, Salta, governada por Juan Manuel Urtubey, um peronista antikirchnerista que pretende unir a corrente em torno de uma possível candidatura presidencial sua em 2019.

O próprio Urtubey discursou logo depois do anúncio dos primeiros resultados, admitindo a derrota do peronismo e parabenizando Macri.

Outra vitória notável foi em La Rioja, onde a Mudemos superou o ex-presidente e atual senador Carlos Menem em seu bastião tanto no Senado quanto na Câmara.

No "bunker" da aliança governista Mudemos, os gritos de guerra mais ouvidos eram "não voltam mais" (referindo-se aos kirchneristas) e "sim, se pode". O clima, porém, era menos triunfalista do que na noite das primárias , em 13 de agosto.

A ideia era, também, a de não causar impacto negativo em parte do eleitorado que está sensibilizada com a morte do artesão e ativista político Santiago Maldonado , confirmada no sábado (21).

Por esse motivo, o presidente Macri não havia planejado discursar. Porém, após ouvir Cristina admitir a derrota, animou-se e subiu ao palco, fez um discurso eloquente e dançou, acompanhado da mulher e da filha.

"Hoje não ganhou um grupo de candidatos, nem um partido, mas sim um grupo de argentinos que tem certeza de que podem mudar a Argentina para sempre".

Até que o presidente se decidisse falar ou não, seus aliados discursavam. A primeira foi sua vice, Gabriela Michetti, que disse que os argentinos estariam escolhendo entre "continuar em direção ao futuro" ou "olhar novamente para trás" ""argumento igual ao usado na campanha presidencial de 2015.

Depois se seguiram o prefeito de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta e a deputada Elisa Carrió, vencedora na capital com mais de 50% dos votos, e uma diferença de mais de 20 pontos com relação ao candidato kirchnerista, Daniel Filmus.

"Este é um país que está mudando de norte a sul, e estamos ganhando em toda a Argentina", disse Carrió, ex-presidenciável, derrotada por Cristina no passado.

Já no "bunker" da ex-presidente, no estádio do Arsenal de Sarandí, assessores afirmavam inicialmente que suas pesquisas diferiam da contagem oficial divulgada até o momento.

Quando os números se tornaram irreversíveis, Cristina Kirchner admitiu a derrota, mas afirmou que irá "trabalhar para que exista união entre a oposição" desde a vaga que conquistou no Senado.

Segundo o órgão responsável pelas eleições, o comparecimento foi de 78% do eleitorado, composto por 33 milhões de votantes. Foram escolhidos neste domingo um terço dos membros do Senado (24 vagas) e pouco menos da metade da Câmara dos Deputados (127 vagas).

MALDONADO

Macri votou por volta do meio-dia. Depois de almoçar com a família, passou a tarde em sua casa de campo, perto da cidade de Buenos Aires. Quando se aproximou dos jornalistas foi perguntado insistentemente sobre o caso Santiago Maldonado.

"Estou muito preocupado, e como todos os argentinos, quero saber a verdade. É hora de ter prudência e esperar que a perícia e a Justiça esclareçam de fato o que ocorreu."

Disse que havia telefonado para a mãe do artesão, cujo corpo foi encontrado na terça (17) na Patagônia, mas se recusou a comentar se a Gendarmeria (polícia de fronteiras) iria ser ou não responsabilizada por sua morte.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber