Cotidiano

Trump vai declarar que Irã não cumpre acordo nuclear, diz imprensa

Da Redação ·
Sob Trump, EUA aglutinam na COP defensores de combustíveis fósseis
Sob Trump, EUA aglutinam na COP defensores de combustíveis fósseis

ISABEL FLECK

continua após publicidade

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - O presidente Donald Trump vai declarar nesta sexta (13) sua intenção de não certificar o cumprimento, pelo Irã, do acordo sobre o seu programa nuclear, assinado em 2015, segundo a imprensa americana.

A decisão joga para o Congresso a responsabilidade sobre retomar ou não as sanções contra Teerã suspensas pelo acordo, o que determinaria o fim do tratado firmado entre o Irã e o grupo chamado P5+1 (EUA, Reino Unido, França, Rússia, China e Alemanha).

continua após publicidade

O presidente, no entanto, vai pedir que o Congresso estabeleça novas exigências ao Irã, cujo descumprimento seria um "gatilho" para a retomada imediata das sanções, segundo o "New York Times".

Entre os "gatilhos" considerados pela Casa Branca, estão a eventual continuação dos lançamentos de mísseis balísticos pelo Irã, sua possível recusa em estender a duração do limite estabelecido à sua produção de combustível nuclear ou uma futura conclusão, pela inteligência americana, de que o país pode produzir uma arma nuclear em menos de um ano.

O anúncio será feito no início da tarde, durante um pronunciamento de Trump sobre sua "nova estratégia para o Irã", cujos pontos principais foram divulgados em nota pela Casa Branca na noite de quinta (12).

continua após publicidade

"As atividades do regime iraniano prejudicaram severamente quaisquer contribuições positivas para 'a paz e a segurança regional e internacional' que o Plano Abrangente de Ação Conjunta [como é chamado o acordo] procurou alcançar", diz a nota da Casa Branca.

Segundo o documento, o regime iraniano "mostrou um comportamento perturbador", visando "explorar as lacunas" do acordo e "testar a determinação da comunidade internacional". "Vamos negar ao regime iraniano todos os caminhos para desenvolver uma arma nuclear", afirma o texto.

A opção de não certificar o cumprimento mas pedir que o Congresso estabeleça novas exigências seria um meio termo entre manter o pleno funcionamento do acordo e a sua completa extinção.

continua após publicidade

A decisão foi fruto de uma intensa divisão dentro do governo Trump, com os secretários de Estado, Rex Tillerson, e de Defesa, Jim Mattis, defendendo que é os limites estabelecidos pelo acordo hoje são de interesse da segurança nacional dos EUA.

Desde a campanha, Trump vinha criticando duramente o acordo, que segundo ele foi "um desastre" e "o pior acordo já feito" pelos Estados Unidos. A decisão sobre certificar ou não o cumprimento, pelo Irã, das cláusulas do tratado precisa ser enviada ao Congresso americano até o domingo (15).

continua após publicidade

Pelos compromissos determinados no acordo, o Irã deveria reduzir em dois terços o número de centrífugas para enriquecimento de urânio até 2025, diminuir para 300 kg seu estoque de urânio enriquecido a 98% (usado em ogivas nucleares) e limitar o enriquecimento a 3,67% (suficiente para uso pacífico), e permitir a visita de inspetores da ONU a suas instalações nucleares e militares.

Os demais países do acordo se comprometeram em levantar sanções econômicas mediante o cumprimento pelo Irã.

GUARDA REVOLUCIONÁRIA

O documento divulgado pela Casa Branca, contudo, não trata só da questão nuclear, e diz que a nova estratégia dos EUA para Teerã "tem como foco neutralizar a influência desestabilizadora do governo do Irã e frear sua agressão, particularmente seu apoio ao terrorismo e a militantes".

Trump vai ainda anunciar ainda sua intenção de impor mais pressão contra a Guarda Revolucionária Iraniana, mas não está claro se ele vai designá-la uma organização terrorista. O texto também afirma que Trump pedirá à comunidade internacional que condene as violações de direitos humanos por parte da Guarda Nacional e as detenções de cidadãos americanos e demais estrangeiros.

"Vamos trabalhar para negar ao regime iraniano -e especialmente a Guarda Revolucionária (IRGC)- financiamento para suas atividades malignas e vamos nos opor às atividades da IRGC que extorquem a riqueza do povo iraniano", diz o documento da Casa Branca.

Outros pontos principais da nova política são "revitalizar alianças tradicionais e parcerias regionais como baluartes contra a subversão iraniana e restabelecer um equilíbrio mais estável de poder na região".