Cotidiano

Presos dois suspeitos de roubos a banco e carro forte no PR

Da Redação ·
Suspeitos foram presos após quatro meses de investigação. Foto: Polícia Civil
Suspeitos foram presos após quatro meses de investigação. Foto: Polícia Civil

Dois homens (32 e 37 anos) foram presos na noite de terça-feira (29) após quatro meses de investigações do Centro de Operações Policiais Especiais (COPE), no bairro Pinheirinho. A dupla faz parte de uma quadrilha de roubos e receptação de veículos que fornecem carros roubados para quadrilhas de roubos a banco e carros forte.O homem de 32 anos por faz parte de uma associação criminosa comandada pelo homem de 37 anos, conhecido por “Sinop”. 

continua após publicidade

“Vale lembrar que o Sinop é dono de um desmanche fechado pelo Cope, em Bocaiuva do Sul”, lembrou o delegado-titular do Cope, Rodrigo Brown, completando que o homem de 32 anos foi reconhecido pela vítima pelo roubo de um veículo Land Rover Evoque, utilizado no roubo do carro forte no final de julho deste ano, em Morretes.

O delegado ressalta ainda que ladrões de carros acabam se envolvendo com ladrões de banco a fim de fornecer os meios (carros roubados) para as ações criminosas. A prisão da dupla ocorreu em suas residências (no bairro Pinheirinho) através de mandado de prisão, expedido pela Justiça, ambos não reagiram a prisão e responderão por roubo, receptação e associação criminosa.

continua após publicidade

Saidinha de banco
Ainda durante as investigações, outra equipe do Cope prendeu um homem de 34 anos, logo após cometer um roubo a mão armada. Ele foi preso ao deixar uma agência bancária, em São José dos Pinhais (SJP), com o valor de R$ 1 mil em dinheiro. De acordo com a polícia o rapaz cumpre pena no regime semiaberto na Colonia Penal Agrícola, onde sai durante o dia para trabalhar regularmente e retorna no periodo noturno para penitenciária. 

Ele também foi preso pela Grupo Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre), em Almirante Tamandaré, em maio de 2015, onde cinco pessoas foram presas suspeitas de integrar uma quadrilha especializada em roubo de caixas eletrônicos. Na época foi apreendido em uma residência o “QG da gangue de dinamites” um fuzil 556, uma metralhadora, três pistolas, oito coletes balísticos, aproximadamente 45 quilos de emulsão explosiva - que tem capacidade para explodir até 125 caixas eletrônicos - dois rolos de cordéis, além de três carros, sendo um importado.

Na delegacia, o suspeito negou o crime. Ele foi autuado em flagrante pelo delito de roubo majorado. As investigações continuam a fim de localizar outros envolvidos com o grupo.