Cotidiano

Redução de jornada ajuda servidor cuidar de familiar com deficiência

Da Redação ·
Servidores com parentes deficientes tiveram jornada reduzida. Foto: Assessoria
Servidores com parentes deficientes tiveram jornada reduzida. Foto: Assessoria

O Paraná saiu um ano na frente da União, ao regulamentar, em dezembro de 2015, a redução da jornada de trabalho de servidores estaduais responsáveis por pessoa com deficiência. Poucos estados têm legislações semelhantes. O decreto assinado há pouco mais de um ano e meio pelo governador Beto Richa reforça a preocupação do governo paranaense com os servidores e suas famílias.

continua após publicidade

O Estado foi um dos primeiros a conceder esse benefício no Brasil. No Paraná, 351 funcionários já tiveram a jornada de trabalho reduzida. Trabalham com mais tranquilidade e conseguem se dedicar mais tempo a quem precisa de cuidado especial.

“Antes, o papel profissional do servidor entrava em conflito com seu papel dentro da família, o que gerava angústia ou comprometia parte da renda na contratação de cuidador ou outro profissional”, comentou Flávia Bandeira Cordeiro, coordenadora estadual de Políticas dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

continua após publicidade

A redução da carga horária, sem desconto na remuneração, pode ser solicitada por quem trabalha 40 horas semanais e oito horas diárias, até o limite de 50%. Caso haja mais de um servidor responsável pela mesma pessoa, a redução é concedida apenas para um deles. A necessidade é avaliada por médicos antes de ser concedido o benefício.

Para Flávia Cordeiro, o decreto representa avanço histórico no reconhecimento dos direitos das pessoas com deficiência e dá tranquilidade para quem precisa cuidá-las. Ela citou o exemplo de sua mãe, que deixou de trabalhar para cuidar da filha caçula. A criança nasceu com fenda palatina (sem o céu da boca) e precisava de atenção integral por parte da mãe. “Ela não teve escolha. Seu papel materno falou mais alto e ela largou o trabalho”, contou.

Pelo filho
Ângela Maria Nunes Nascimento teve Davi há 3 anos, quando ainda não existia o decreto. O menino nasceu com síndrome de Down e, terminada a licença, Ângela viu-se com pouco tempo para as tarefas maternas e as exigências próprias da deficiência do bebê, mesmo sabendo ser essencial dedicar-lhe mais horas. “Ele precisava e precisa de estimulação para andar, falar e se desenvolver”, explicou Ângela.

continua após publicidade

Quando Davi estava já com um ano e seis meses, o decreto foi assinado pelo governador. Hoje, o menino faz terapias relacionadas a fonoaudiologia, fisioterapia, terapia ocupacional e integração sensorial, com acompanhamento da mãe. “Se eu tivesse esse tempo logo depois do nascimento, talvez hoje ele já estivesse andando”, supôs. “Não sei como faria se não fosse a redução da jornada de trabalho”.

Márcia Wassmansdorf solicitou a redução no mês passado. Ela cuida do pai, Erico, 89 anos, desde que sua mãe morreu, há cinco anos. Doenças degenerativas nos olhos retiraram a visão de Erico, que, agora, depende dos cuidados dela para melhorar suas condições de vida.

O homem sempre foi ativo e independente, mas depois da morte da esposa ficou mais entristecido. “Ele pouco sai da cama e não caminha por medo de sofrer acidente. Quer sempre companhia. O exercício físico é importante para ele se reabilitar”, explicou Márcia.

continua após publicidade

Com a oportunidade de sair mais cedo do trabalho, Márcia pode acompanhá-lo na fisioterapia e caminhar com Erico. “Ele sente falta de conversar e, muitas vezes, não tinha tempo para escutá-lo por conta dos afazeres da casa. Agora estou entusiasmada em poder dar mais carinho ao meu pai”.

Estatuto
O decreto que reduz a jornada de trabalho respeita o Estatuto da Pessoa com Deficiência, também sancionado pelo governador Beto Richa. Debatido em audiências públicas em todo o Paraná, o estatuto foi criado para ampliar a inclusão social e garantir cidadania plena às pessoas com deficiência.

O documento apresenta as diretrizes para áreas como saúde, educação, profissionalização, trabalho, assistência social e acessibilidade. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) o número de pessoas com deficiência representa 20% da população paranaense. “O poder público tem o dever de ampliar a inclusão social e garantir cidadania plena às pessoas com deficiência”, disse o governador Beto Richa, na época.