Cotidiano

Gaeco prende delegado e investigador da Polícia Civil em ação contra corrupção e lavagem de dinheiro

Da Redação ·
Ação do Gaeco nesta quarta-feira (16) mirou o jogo do bicho - Foto: Carlão/Maringá - Reprodução
Ação do Gaeco nesta quarta-feira (16) mirou o jogo do bicho - Foto: Carlão/Maringá - Reprodução

Integrantes de diversos núcleos do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná, participaram nesta quarta-feira (16) da operação Barão de Drummond, que abrangeu dez cidades e resultou na prisão de um delegado e um investigador da Polícia Civil.

continua após publicidade

A operação, deflagrada a partir de investigação iniciada no primeiro semestre de 2016 pelo núcleo do Gaeco em Maringá (norte do Estado) tem como objetivo o combate a crimes de corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de dinheiropraticados por associação criminosa em bancas de exploração de jogos ilegais. 

Foram expedidos pelo Juízo da 4ª Vara Criminal de Maringá 37 mandados de busca e apreensão (22 em residências, 11 em estabelecimentos comerciais – incluindo bancas de jogo – e quatro em gabinetes de delegacias de polícia) e cinco mandados de prisão preventiva (contra os policiais e mais três exploradores de jogos). 

continua após publicidade

Os mandados foram cumpridos nas cidades de Maringá, Astorga, Altônia, Ivatuba, Paiçandu, Ponta Grossa, Paranavaí, Sarandi, Arapongas e Doutor Camargo.

Durante a operação, foram também presas em flagrante cinco pessoas por posse de munições e armas sem registro. Outras oito pessoas foram encaminhadas para lavratura de termo circunstanciado para responderem por envolvimento com jogos ilegais.

As informações são do Ministério Público do Paraná