Cotidiano

Mudanças climáticas podem fazer a população da Sibéria triplicar até 2080

.

Esquiadoras de biquini nas Montanhas Altai, na Rússia - Fotos: Kirill Lazarev - Gesh.ru/Siberian Times
Esquiadoras de biquini nas Montanhas Altai, na Rússia - Fotos: Kirill Lazarev - Gesh.ru/Siberian Times

Pesquisadores do Instituto VN Sukachev, da Rússia, afirmaram recentemente que a Sibéria, hoje um dos lugares mais inóspitos do planeta por conta do frio extremo, pode se tornar uma das melhores regiões da Terra para se viver em 2080, por conta das mudanças climáticas e consequente aumento da temperatura nas próximas décadas nas próximas décadas.

Entre os benefícios propiciados por tais mudanças está o crescimento da produção agrícola. Cientistas acrescentam que deverá ocorrer um crescimento da densidade demográfica em decorrência do clima mais ameno na região. 

No final do século XXI, 50% a 80% da Sibéria central poderia ter um clima adequado para a agricultura, com as culturas siberianas tradicionais avançando para o norte em até 70 quilômetros por década, de acordo com estudo citado por especialistas. 

População deve aumentar em até 3 vezes
Segundo os pesquisadores, o clima mais quente poderia permitir a introdução de culturas como arroz, feijão e uvas. Já a densidade populacional pode aumentar em três vezes", disse ao Siberian Times a pesquisadora Elena Parfenova.