Cotidiano

Trigo tem perdas gravadas pela seca prolongada no Paraná

.

Problemas climáticos não tiveram um efeito significativo nas cotações do preço do trigo - Foto: Reprodução
Problemas climáticos não tiveram um efeito significativo nas cotações do preço do trigo - Foto: Reprodução

As lavouras de trigo do Paraná, maior produtor brasileiro de trigo, são castigadas por uma seca prolongada e isso está aumentando os prejuízos para a safra, já prejudicada pelas geadas, divulgaram na quarta-feira (9) fontes do Departamento de Economia Rural (Deral), ligado à Secretaria de Estado da Agricultura (Seab). 

A previsão do Deral era de uma produção de 2,820 milhões de toneladas de trigo, um volume já abaixo das 3,068 milhões projetadas inicialmente.  Agrônomos pontuam que após um excesso de chuvas em junho, que prejudicou o avanço da semeadura especialmente no Sudoeste do Paraná, o tempo secou, afetando o potencial das lavouras. O trigo plantado no Paraná já registra perdas de mais de 6%. 

O Estado já colheria uma safra inferior mesmo em condições normais, pois a área foi reduzida em aproximadamente 13% em 2016, para 956 mil hectares.

Cotações de preços
Para analistas do mercado agrícola, os preços continuam sendo uma preocupação para os produtores, pois os problemas climáticos não tiveram um efeito significativo nas cotações, que continuam abaixo do custo variável de produção. 

Mesmo as projeções de uma safra mundial mais limitada que a do ano anterior não afetaram os preços internamente até este momento, pois o trigo nacional acompanha as cotações argentinas mais do que as cotações americanas. No país vizinho os valores do trigo estão, atualmente, abaixo dos praticados no mesmo período do ano anterior, conforme especialistas em comércio exterior.

Com informações da Seab/Deral