Cotidiano

Robôs estão sendo desenvolvidos para combater doenças em fase terminal; entenda

Da Redação ·
Os pacientes terão uma nova chance contra doenças terminais. (Foto: Reprodução)
Os pacientes terão uma nova chance contra doenças terminais. (Foto: Reprodução)

O enorme avanço da ciência em busca de curas para doenças terminais está surtindo seus efeitos e segundo alguns especialistas, o resultado dessa busca incansável de respostas para alguns tipos de canceres estão mais próximos do que se imagina. Tudo está aliado também as novas modalidades tecnológicas disponíveis para que haja um progresso significativo na medicina.

continua após publicidade

A mais difundida e esperançosa na classe científica seriam as injeções com nano-robôs (seus tamanhos seriam microscópicos) em pacientes que desistiram ou não tem mais chances de sobrevivência, dado ao avanço de sua leucemia. De acordo com o divulgado, tais robôs adentrariam a corrente sanguínea do paciente, fazendo com que as células do câncer sejam localizadas e identificadas para que haja um novo tratamento muito mais eficaz, até o completo desaparecimento das mesmas.

Segundo Eric Diller, pesquisador de microbiologia e chefe das pesquisas dos microrobots da Universidade de Toronto, as mitocôndrias criadas em laboratório, ou seja, os nano-bots biodegradáveis, conseguiriam percorrer qualquer parte do corpo humano, bem como se dissolveriam após seu trabalho ter sido feito. Desse modo, cirurgias mais incisivas seriam descartadas, podendo tratar o paciente intravenosamente.

continua após publicidade
Robôs estão sendo desenvolvidos para combater doenças em fase terminal; entenda fonte: Reprodução

Outro especialista que obteve sucesso em meio a criação e uso dos nano-robôs é o professor Shawn Douglas, do Wyss Institute da Universidade de Harvard, que conseguiu fazer um sistema que adentre o corpo da pessoa infectada e apenas seja ‘ligado’ quando encontrar células infectadas com a leucemia. Os testes feitos por ele e sua equipe concluíram que o ‘DNA origami’ desenvolvido por eles sabia inclusive diferenciar células doentes de saudáveis.

O experimento foi feito a partir do preenchimento das células atingidas pela doença com uma espécie de arsenal que mataria apenas a infecção e a preencheria com um núcleo saudável. A premissa é de esses sistemas tenham ao menos 5 anos de estudos antes de serem implementados em seres humanos, porém, tal avanço já é considerado o próximo passo da medicina atual.

Robôs estão sendo desenvolvidos para combater doenças em fase terminal; entenda fonte: Reprodução

O professor e cientista Jørgen Kjems, da Universidade de Aarhus, na Dinamarca ressalta que quando esse obstáculo for superado as chances de sobrevivência serão multiplicadas, já que laboratórios poderão produzir remédios específicos de acordo com o encontrado pelos pequenos organismos inteligentes injetados no corpo humano.

O único impedimento, apesar dos pequenos robôs estarem sendo desenvolvidas há alguns anos, seria o fato de saber se tais organismos sobreviveriam no sistema imunológico humano. Porém, pesquisadores da China garantem estar a um passo de resolver esse problema e dar um grande salto no avanço da medicina.

Robôs estão sendo desenvolvidos para combater doenças em fase terminal; entenda fonte: Reprodução