Cotidiano

Ronald Wayne: conheça o fundador da Apple que vendeu suas ações por não acreditar no futuro da empresa

Da Redação ·
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Já imaginou se você tivesse tido uma porcentagem de uma ideia brilhante e milionária e não acreditasse muito nela? Você venderia suas ações por não acreditar no futuro de fortunas e fama que você poderia ter? Pois essa é a história de Ronald Wayne, ex sócio fundador da Apple que resolveu vender suas ações por um valor simbólico há mais de 40 anos atrás.

continua após publicidade

Quando os jovens Steve Jobs e Steve Wozniak tiveram a ideia de montar a Apple Computer, eles pediram ajuda a um terceiro sócio que possuía cerca de 10% da empresa, o engenheiro Ronald Wayne que apesar de ser um dos fundadores e mediadores entre os sócios, não levou muita fé que a pequena empresa iria para frente. “Com uma experiência anterior onde perdi todos meus investimentos, achei que o futuro daquela start up seria o mesmo e não me traria nada, na época ainda achei que saí no lucro.”, conta ele.

A experiência ruim que Wayne se refere teve antes mesmo de trabalhar na empresa Atari foi na montagem e venda de caça-niqueis para cassinos em Las Vegas. "Quando eu perdi tudo, vi que eu não nasci pra ser empreendedor. Com base nas informações que eu tive na época, achei que aconteceria o mesmo com a Apple Computer." que lembra dos hábitos peculiares de Jobs quando trabalharam juntos na empresa de jogos Atari. "Ele preferia os escritórios a noite, quando não houvesse ninguém. Era estranho, mas brilhante."

continua após publicidade

Já na Atari, Wayne trabalhou no setor administrativo e como era muito elogiado pelos colegas foi convidado por Jobs a integrar a pequena empresa montada por ele e Wozniak, para ser 'um guru administrativo', resolvendo pequenas burocracias, como a vez em que teve que resolver uma disputa de propriedade intelectual entre os dois idealizadores da Apple.

Ronald Wayne: conheça o fundador da Apple que vendeu suas ações por não acreditar no futuro da empresa fonte: Reprodução

Logo que entrou, o engenheiro não entendeu muito bem a tecnologia aplicada pelos visionários e não gostou da posição onde fora colocado, permanecendo apenas 12 dias junto dos sócios. "Eu não poderia criar meus projetos com eles, pois, a minha posição era somente lidar com a parte burocrática o que me levou a repensar e vender meus 10% a eles.".

O valor da venda de suas ações foi pouco mais de US$800,00 e para ele aquilo havia sido um alivio, já que Jobs e Wozniak nunca se entenderam perfeitamente e o controlavam muito. “Eu atuava mais como um juiz de paz entre os dois.”, continua Wayne. 

continua após publicidade

A empresa fundada em 1976 pelos amigos hoje é uma das mais valorizadas nos mercados de ações mundiais. O engenheiro nunca imaginou que a empresa cresceria tanto. “As pessoas me perguntam se eu gostaria de US$1 bilhão e eu respondo que claro que gostaria, que até mesmo US$1 milhão hoje seria ótimo, coisa que nem isso tenho.”

O caso de Wayne ganhou repercussão mundial dado ao fato de que apenas o contrato onde Jobs, Wozniak e Wayne definiam a divisão em percentuais da empresa foi vendido em um leilão por mais de US$1.30 milhões em 2012. “Nós nos conhecemos quando trabalhamos juntos na fábrica de jogos da Atari no começo dos anos 70 e sempre tive muito respeito pelos meus até então, sócios. Eu lamento, mas é a vida. Não posso morrer me martirizando.”, complementa Wayne que hoje poderia ter sua fortuna estimada em mais de US$37 bilhões.