Cotidiano

Paraná instala serviço para apoiar pessoas monitoradas

Da Redação ·
O escritório ofertará diversos serviços de cidadania para auxiliar na reintegração social. - Foto: Arnaldo Alves / ANPr.
O escritório ofertará diversos serviços de cidadania para auxiliar na reintegração social. - Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

O Governo do Paraná abriu nesta terça-feira (06) o escritório social para atender pessoas que saem do sistema prisional e passam a usar tornozeleira eletrônica. O local ofertará diversos serviços de cidadania para auxiliar na reintegração social dos ex-detentos. Cerca de 5 mil pessoas, que são monitoradas eletronicamente, serão beneficiadas pelas ações do escritório. “Mais uma vez o Paraná dá um importante passo para a reinserção social dos apenados e busca dar melhores condições a essas pessoas”, afirmou o governador Beto Richa, na solenidade no Palácio Iguaçu, que marcou a abertura do escritório. “O espaço vai garantir o acompanhamento das 5 mil pessoas que estão em monitoração eletrônica, para que elas tenham condições de uma reinserção na sociedade de forma mais efetiva”, disse. 

continua após publicidade
Paraná instala serviço para apoiar pessoas monitoradas fonte: Reprodução

Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

INTEGRAÇÃO - O Paraná é o segundo estado do Brasil a adotar a iniciativa, que faz parte do projeto Cidadania dos Presídios, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O escritório será gerido pelo Departamento Penitenciário (Depen-PR), órgão ligado à Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária, com orientação do Tribunal de Justiça. Richa destacou a integração entre os órgãos de Estado e o Tribunal de Justiça e citou as iniciativas do governo estadual para diminuir a superlotação no sistema penitenciário. Ele ressaltou que o Paraná retirou 7 mil presos de delegacias. “Temos hoje 14 unidades prisionais em construção ou ampliação, que resolverão o problema das delegacias que operam com capacidade acima de sua lotação. Somos também o Estado com o maior número de tornozeleiras eletrônicas, que contribuíram para esvaziar o sistema prisional”, disse ele. 

continua após publicidade

MODELO INTEGRADO – O secretário de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária, Wagner Mesquita, explicou que a iniciativa do escritório social é integrado à Unidade de Progressão do Complexo Penitenciário de Piraquara, espaço modelo no tratamento penal. “O escritório complementa o trabalho que fazemos com a Unidade de Progressão, que é um local diferenciado, em que 100% dos presos trabalham, estudam ou tem a remissão de pena pela leitura”, explicou. “Com isso, eles têm uma verdadeira oportunidade de cumprir sua pena e se reintegrar à sociedade com dignidade”, destacou. Mesquita disse que tanto a Unidade de Progressão quanto o escritório social receberam a visita de representantes da Organização dos Estados Americanos (OEA), que tem o interesse de homologar as iniciativas como exemplo internacional na execução penal. 

REDUZIR VULNERABILIDADE – Com a intenção de reduzir a vulnerabilidade das pessoas que cumprem pena por monitoração eletrônica, o escritório social é uma rede de apoio, que conta com a participação de várias secretarias de Estado e instituições parceiras. 

O diretor-geral do Depen, Luiz Alberto Cartaxo, afirmou que o espaço representa a modernização do sistema penitenciário. “A implantação do escritório social significa a união de forças de todo o Estado, com outras secretarias envolvidas nessa questão, trazendo mais subsídios para atender o monitorado que sai do sistema fechado e vai para o semi-aberto”, disse. 

continua após publicidade

ACOMPANHAMENTO – A intenção é que o preso seja acompanhado pelo escritório social desde a saída da unidade penal até a sua efetiva reinserção. No local, serão ofertados atendimento social, educacional e de psicologia, com extensão de atendimento também às famílias dos ex-detentos. Além disso, o escritório fará o encaminhamento a serviços como documentação, emprego e qualificação profissional. “O espaço permite o acompanhamento dos egressos e reúne uma série de serviços para que eles possam se reintegrar à sociedade, resgatando a cidadania dessas pessoas”, afirmou a diretora do Escritório Social, Ananda Chalegre. O escritório social está localizado no bairro Atuba, em Curitiba, no local onde funcionava Centro de Regime Semi-Aberto Feminino (Craf), na Rua Monteiro Tourinho, 1506.

 PRESENÇAS - Participaram da solenidade a secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa; o chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni; o secretário do Planejamento e Coordenação Geral, Cyllêneo Pessoa; o supervisor do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas do Paraná, Ruy Muggiati; o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-PR, Alexandre Salomão; a presidente do Conselho da Comunidade na Execução Penal da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba, Isabel Kluger Mendes; e o assessor especial de Assuntos Fundiários, Hamilton Serighelli.