Cotidiano

Médico chora com situação de hospital que vive caos por falta de verba em Mato Grosso 

Da Redação ·
Diretor-técnico e médico Roberto Satoshi se emocionou ao expor o caos vivido pelo Hospital Regional de Sorriso. (Foto: Reprodução)
Diretor-técnico e médico Roberto Satoshi se emocionou ao expor o caos vivido pelo Hospital Regional de Sorriso. (Foto: Reprodução)

A saúde é algo sempre lembrada pela população e políticos como algo a ser revisto com diversos investimento em melhoria de estrutura e qualidade de atendimento. Uma situação, que infelizmente vem se tornando cada vez comum, ganhou as redes sociais nesta semana. O diretor-técnico, médico Roberto Satoshi se emocionou ao expor o caos vivido pelo Hospital Regional de Sorriso.

continua após publicidade

A precariedade que se encontra o hospital, localizada a 420 km de Cuiabá, tem levado alguns pacientes que lá estão internados a serem transferidos para hospitais de municípios vizinhos. O hospital não recebe repasse do governo desde fevereiro, somando mais de R$8 milhões.

De acordo com o Satoshi a situação de caos é de extrema urgência, chegando ao ponto de pacientes que necessitam de oxigênio estarem em risco, devido ao fato que o gás medicinal estar perto do fim. Medicamentos e outros insumos também estão quase se esgotando.

continua após publicidade

Médico chora com situação de hospital que vive caos por falta de verba em Mato Grosso  - Vídeo por: Reprodução

"O caos chegou. Quarta-feira a comida vai estar no estoque zero. Vamos servir o quê? Água com barro? declarou o diretor do hospital.  Estamos tentando a transferência para assegurar esses pacientes, porque se acabar o gás medicinal vai começar a morrer gente, um atrás do outro”, disse emocionado.

De acordo com o site O Livre o hospital foi administrado anteriormente por uma OSS (Organização Social de Saúde) e desde 2015 está sob intervenção do governo do Estado. Em nota o governo do estado afirmou que pagou R$ 9 milhões em débitos referentes ao ano passado, mas admitiu a existência de uma divida referente aos meses de janeiro, fevereiro e março.  

O governo também informou que enviou uma equipe técnica da Secretaria de Estado de Saúde para a cidade de Sorriso para fazer um diagnóstico da situação do hospital.