Cotidiano

Paraná recebe denúncia e resgata vítima de tráfico de pessoas

Da Redação ·
O Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Paraná regatou uma transexual que foi traficada para o interior do Estado. (Foto: Divulgação SEJU)
O Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Paraná regatou uma transexual que foi traficada para o interior do Estado. (Foto: Divulgação SEJU)

O Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Paraná regatou uma transexual que foi traficada para o interior do Estado. A vítima chegou ao Paraná, vinda do Nordeste do País, no dia 7 de março. Denúncias levaram o Núcleo a descobrir a casa onde Valéria (nome fictício) era mantida. Além dela, outras 20 mulheres, vindas de diferentes regiões do país, vivem no local. Detalhes da localização da casa e da situação das demais meninas são mantidas em sigilo para não prejudicar as investigações que estão sendo conduzidas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). 

continua após publicidade

A vítima conta que saiu do Nordeste no dia 7 de março. A passagem de avião foi comprada pela aliciadora, que se apresentava como Bruna Marquezine. “Ela pagou tudo e me dizia o tempo todo que eu conseguiria tirar até R$ 1 mil por dia de trabalho, que teria alguns custos, mas que ganharia bem mais do que ganhava me prostituindo na minha cidade. Eu não tenho família. Resolvi arriscar a sorte”, relatou.

Quando chegou ao interior do Paraná, Valéria percebeu que havia sido enganada. “Cheguei numa casa precária, suja, com goteiras e várias outras meninas. Era vigiada o tempo todo. O que me salvou foi ter escondido meu celular para tentar pedir socorro”, conta.

continua após publicidade

EXPLORAÇÃO – Logo Valéria percebeu que era quase impossível sair da casa. Era preciso quitar uma dívida – que somava R$ 2 mil no dia da sua chegada – para voltar a ser livre. Além disso, tudo o que era consumido na casa era cobrado das meninas: um copo de água custava R$ 2; tomar banho, R$ 15. A dívida crescia diariamente. As meninas eram obrigadas a se prostituírem das 16h até o outro dia de manhã. 

“Se não chegasse com R$ 250 em casa, eles mandavam a gente voltar pra rua”, conta. Segundo ela, eram necessários cinco programas por noite para chegar à quantia. 

Cerca de dez dias depois de chegar ao Paraná, Valéria conseguiu colocar créditos no celular e entrou em contato com uma pessoa que milita pela causa LGBT. Esta pessoa fez a denúncia ao Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Paraná.

continua após publicidade

O secretário da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos, Artagão Júnior, disse que, no mesmo dia em que recebeu a denúncia, o Núcleo acionou a Polícia Civil, a Polícia Federal e o Ministério Público. “É um trabalho delicado, envolve investigação, vários órgãos precisam agir para conseguir libertar uma pessoa de uma situação dessas. Nossa atuação foi a mais rápida possível. Mas para quem está passando por uma situação de cárcere privado, com vários direitos violados, qualquer espera é uma eternidade”, afirmou. 

No dia 3 de abril Valéria saiu para fazer programa e foi resgatada pelo Ministério Público, que providenciou imediatamente abrigo e alimentação à vítima. No dia seguinte ela embarcou de volta para casa.

(Com informações - Agência Estadual de Notícias)