Cotidiano

Anel peculiar no olho de mulher assusta médicos; saiba como ele se formou

Da Redação ·
Imagem mostra o “colarinho da íris saliente” no olho esquerdo de chinesa - Foto:New England Journal of Medicine
Imagem mostra o “colarinho da íris saliente” no olho esquerdo de chinesa - Foto:New England Journal of Medicine

Uma mulher chinesa de 37 anos foi diagnosticada recentemente com uma anomalia no olho esquerdo que chamou a atenção dos médicos pela peculiaridade. Trata-se de um  “colarinho da íris saliente”, que é raro e sem sintomas. Ela procurou seu médico reclamando de coceira e olhos lacrimejantes. Ao examinar de perto, o médico se assustou com o que viu

continua após publicidade

O caso foi descrito em artigo na revista New England Journal of Medicine como uma condição benigna que não afeta a visão (a paciente tem acuidade visual 20/20).  A paciente não precisou passar por nenhum tratamento. 

Outros casos similares já foram relatados antes, mas este, conforme especialistas, é diferenciado pelo impacto visual e incrível imagem proeminente registrada pelo médico. De acordo com cientistas chineses que escreveram o artigo da revista, “este achado é uma variante normal”.

continua após publicidade

A íris é a parte colorida do olho de uma pessoa, e tem diferentes camadas e texturas, afirmou a oftalmologista Andrea Thau, presidente da American Optometric Association. O colarinho da íris marca o ponto mais grosso do colorido do olho, e separa a porção interna da pupila da porção externa.  

Desenho de um anel
Os colarinhos são tipicamente planos, mas podem, em alguns casos, se dobrar para fora formando o desenho de um anel. Os médicos ainda não sabem explicar por que isso ocorre, mas é possível que a origem seja de cunho genético. 

Reação alérgica e coceiras
Os médicos detalharam que a coceira e as lágrimas da paciente em questão foram provocadas apenas por uma reação alérgica, sem relação com sua íris. Ela recebeu tratamento para conjuntivite alérgica e foi tranquilizada sobre sua íris especial com formato de anel.

Com informações do New England Journal of Medicine e do portal livescience.com