Cotidiano

NASA divulga fotos da superfície de Marte 'crivada' por meteoritos

Da Redação ·
Fotos da sonda MRO mostram como se o Planeta Vermelho tivesse sido
Fotos da sonda MRO mostram como se o Planeta Vermelho tivesse sido

A sonda MRO da NASA captou imagens de Marte com várias marcas na superfície, provocadas por recentes quedas de meteoritos, conforme postagem no site do laboratório HiRISE.

continua após publicidade

Diferente da Terra, Vênus e de algumas luas de planetas-gigantes, Marte não tem uma atmosfera espessa (é aproximadamente 100 vezes mais fina do que a da Terra), por isso sua superfície pode ser facilmente atingida por asteroides e meteoritos, mesmo que sejam relativamente pequenos.

De acordo com o portal do HiRISE, tal característica pode ser considerada como uma vantagem sob o ponto de vista científico, pois possibilita apurar a idade de várias regiões do planeta com base em dados sobre a erosão das crateras e seu número total

continua após publicidade

Há cerca de 10 anos, surgiu uma série de crateras estranhas na superfície marciana detectadas por fotos da sonda MRO, como se o Planeta Vermelho tivesse sido "crivado" por disparos de uma "metralhadora espacial".

As fotos destas duas dúzias de crateras foram recebidas pela sonda utilizando a câmera CTX e seu "irmão mais velho" HiRISE, que é capaz de captar imagens em Marte de estruturas com cerca de um metro.

Rachado em diversas partes
Preliminarmente, os cientistas acreditam que algo idêntico ocorreu, ou seja, o meteorito que deu origem a estas crateras, entre 2008 e 2012, se rachou em diversas partes ao entrar na atmosfera marciano.

continua após publicidade

Depois disso, aconteceu o "disparo espacial" que atingiu a região de Tharsis, na linha equatorial do Planeta Vermelho, vindo do hemisfério meridional marciano e se deslocando em grande velocidade.

Monitoramento permanente
sonda MRO permanece monitorando tais crateras com o objetivo de avaliar quanto tempo levará para que tais rastros da "metralhadora espacial" desapareçam sob areia de Marte, que sobre elas se acumula em decorrência das tempestades de pó e ventos do registradas em Marte.

As informações são do portal jpl.nasa.gov