Cotidiano

NASA confirma descoberta de lago sob a superfície de Marte

Da Redação ·
Visão vertical acentuada mostra depressões fendilhadas em uma parte de Marte: radar detectou água congelada Imagem: NASA / JPL-Caltech Univ. do Arizona
Visão vertical acentuada mostra depressões fendilhadas em uma parte de Marte: radar detectou água congelada Imagem: NASA / JPL-Caltech Univ. do Arizona

A agência espacial norte-americana (NASA) confirmou recentemente a existência de um lago subterrâneo em Marte. A descoberta foi confirmada após mais de 600 passagens da sonda do Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) pelo ‘Planeta Vermelho’.

continua após publicidade

“O depósito hídrico varia em espessura entre 80 a 170 metros com uma composição de 50-85% de água gelada misturada com poeiras ou partículas maiores de rocha”, detalha  comunicado da NASA. Cientistas da agência espacial norte-americana estimam que o lago pode ser seis vezes maior que a área do País de Gales.

Os pesquisadores acreditam que existe mais água ainda por descobrir em Marte, pois a quantidade do lago subterrâneo diz respeito a menos de 1% do total disponível no planeta, que pode ainda abrigar vida. “Onde existe água em estado sólido durante muito tempo não sabemos se houve em algum ponto água em estado líquido capaz de dar suporte vida”, acrescenta o comunicado da agência.

continua após publicidade

NASA confirma descoberta de lago sob a superfície de Marte fonte: Reprodução

Minerais em encostas 
Usando um espectrômetro de imagem na Mars Reconnaissance Orbiter (MRO), os pesquisadores detectaram indícios da existência de minerais hidratados em encostas, onde misteriosas estrias são vistas no Planeta Vermelho

Em imagens recentes captadas pela NASA, é possível ver faixas que escurecem e parecem fluir para baixo, em declives íngremes durante as estações quentes, para depois desaparecer em épocas mais frias. Tais estrias aparecem em vários locais em Marte (clique aqui e veja vídeo) quando as temperaturas estão acima de menos 10 graus Fahrenheit (menos 23 Celsius), e desaparecem em épocas mais frias.

Com informações do portal da NASA