Cotidiano

Igreja Católica atualiza 'guia para morrer bem ' e cria site destinado a doentes terminais

Da Redação ·
Ilustração: Igreja Católica na Inglaterra e País de Gales/theguardian.com
Ilustração: Igreja Católica na Inglaterra e País de Gales/theguardian.com

A Igreja Católica na Inglaterra e País de Gales atualizou o manuscrito medieval sobre A Arte de Morrer para a era digital, com a criação um site destinado a ajudar as pessoas com doenças terminais, além de auxiliar seus entes queridos a lidar com a morte.

continua após publicidade

O original "guia para morrer bem" foi redigido em latim no século 15, com a finalidade de proporcionar  conforto religioso e oferecer orientação prática para as pessoas na fase final da vida. A versão moderna disponibiliza vídeos e animações, entrevistas com doentes terminais e seus cuidadores.

Embora o conteúdo seja baseado na tradição católica, a igreja diz que  o manuscrito se destina a todos com abordagens sobre questões relacionadas ao fim da vida. O texto traz histórias verdadeiras de pessoas que já morreram e seus familiares, bem como entrevistas de cuidadores de enfermos.

continua após publicidade

Nos últimos anos, percebe-se uma abertura crescente na sociedade em torno do que muitos vêem como o último tabu. Cafés de morte e outros eventos para discutir questões em torno do fim da vida são realizados com frequência crescente no Reino Unido. Sites como o Fling final surgiram para ofertar um planejamento de morte e um número crescente de pessoas demonstra interesse pelos serviços.

Katherine Sleeman, que trabalha na área medicina paliativa para doentes terminais do Instituto Cicely Saunders no King's College, de Londres, disse que o fim do silêncio sobre a morte reduziria o medo e melhoraria a qualidade de vida dos pacientes moribundos.

Ela disse à The Art of Dying: "Nós nos preparamos para a chegada de um novo bebê, planejamos para ele, pensamos sobre o que vamos comprar eo que vamos chamar de novo bebê. É parte de nossa vida diária, nossa conversa. Por que não nos preparamos para a nossa morte da mesma maneira? Gostaria que todos tivessem uma boa morte, mas não conseguiríamos isso a menos que, como sociedade, parássemos de sussurrar e começássemos a falar sobre isso ".

continua após publicidade

Testemunhou cerca de 10 mil mortes 
Outra especialista em cuidados paliativos, Kathryn Mannix, que testemunhou cerca de 10 mil mortes ao longo de sua carreira, disse: "Muitas pessoas viveram para desfrutar as últimas semanas e meses de suas vidas." A sociedade esperava que os doentes terminais "permanecessem miseráveis até eles morreram".

Os textos latinos originais de Ars Moriendi incluíam conselhos sobre etiqueta e orações do leito de morte e as cinco tentações que uma pessoa moribunda poderia enfrentar. Foi ilustrado com xilogravuras, uma das quais descreveu a batalha entre anjos e demônios para a alma de um moribundo. A versão digital moderna inclui uma animação, expressa pelo ator Vanessa Redgrave, apresentando uma família fictícia se preparando para uma morte serena. 

Com informações do portal theguardian.com