Cotidiano

NASA divulga fotos de gêiseres em planeta potencialmente habitável

Da Redação ·
Imagem: YouTube/reprodução/imagem ilustrativa
Imagem: YouTube/reprodução/imagem ilustrativa

Os especialistas da NASA revelaram recentemente à imprensa provas de que no satélite Europa, em Júpiter, existem gêiseres com água em erupção, o que pode indicar a possibilidade de vida no maior planeta do sistema solar.

continua após publicidade

A primeira vez que os cientistas começaram a falar publicamente sobre a possível existência de gêiseres no satélite foi em 2012, quando o astrônomo Lorenz Rot revelou em fotos ultravioletas manchas claras na área do polo sul do planeta. Os cientistas concluíram, após análise minuciosa, que as manchas são gêiseres gigantescos de água.  

Os astrônomos começaram a estudar o Europa em 2014. Nas fotos recentemente reveladas, captadas pelo telescópio Hubble, foram registados relâmpagos óticos que podem estar potencialmente ligados com a erupção de gêiseres, que na sua maioria ficam no polo sul do planeta.  

continua após publicidade

Os resultados da observação realizada vão de encontro às conclusões da equipa de Lorenz Rot sobre a existência de fontes de água e gás na lua de Júpiter. Conforme os cientistas da Nasa, a erupção de gêiseres atinge a altitude de cerca de 200 quilômetros. 

"Existe um oceano no planeta que contém uma quantidade de agua duas vezes superior à da Terra. Mas o oceano está coberto por uma camada do gelo muito fria e sólida, cuja espessura não se conhece. Os gêiseres nos dão a possibilidade de obter amostras desta água sem necessidade de perfurar a superfície do planeta", disse William Sparks, especialista do Instituto Espacial de Baltimore.  

PROBABILIDADE DE VIDA
De acordo com cientista Geoff Yoder, da NASA, o oceano do Europa é um dos lugares onde há maior probabilidade para ser encontrada vida alienígena. Informações mais específicas a esse respeito poderão ser obtidas com a ajuda do novo telescópio James Vebb, que vai entrar em funcionamento em 2018.

continua após publicidade


As informações são do site da NASA