Cotidiano

Pacote de mudanças no ensino médio é recebido com críticas 

Da Redação ·
Alunos também criticam as mudanças. Foto: Delair Garcia
Alunos também criticam as mudanças. Foto: Delair Garcia

Desde que foi anunciada na última quinta-feira, a reforma do ensino médio é o assunto principal entre especialistas em educação, professores e estudantes. É fato que o ensino está em crise e precisa mudar - na região, um em cada 10 alunos não encerram ano letivo no ensino médio -, mas as medidas propostas suscitaram muita polêmica, crítica e incerteza. O apucaranense Maylon Coutinho dos Santos, de 16 anos, que está no segundo ano do ensino médio, por exemplo, questiona se as mudanças podem mudar seus planos. 

continua após publicidade

Pacote de mudanças no ensino médio é recebido com críticas  fonte: Reprodução

“Acredito que vai comprometer o vestibular”, avalia o estudante, que sonha em fazer Engenharia Mecânica. O texto da Medida Provisória (MP) tem o prazo de 120 dias para ser aprovado pela Câmara dos Deputados e Senado para não perder a validade. 

continua após publicidade

A data para entrar em vigor ainda não está definida.  A MP segue cheia de indefinições, principalmente quanto ao currículo, que prevê como disciplinas obrigatórias somente Português, Matemática e Inglês. Filosofia, Sociologia, Artes e Educação Física, que foram retiradas num primeiro momento, serão analisadas pelo Base Nacional Comum Curricular (BNCC), mas seguem obrigatórias até a decisão final.  

O estudante Gabriel Félix Araújo, 15, está no primeiro ano do ensino médio e também não esconde a preocupação com as mudanças que estão por vir. 

“Caso tenha essas alterações, vai mudar bastante. Sem Filosofia seremos seres não pensantes, seremos domesticáveis”, analisa. Sobre o que poderia ser mudado para tornar mais interessante o ensino médio, o estudante, que pretende fazer Engenharia Mecatrônica, diz que depende muito de cada aluno. “Além de conteúdo, adquiri conhecimento para a vida”, afirma. 

continua após publicidade

Já a estudante Talissa Ellen Ao Arte, 17, que está no terceiro ano do ensino médio, avalia que as disciplinas ofereceram suporte para enfrentar o vestibular. “

Quero fazer Letras e Inglês na UEM. Sinto que estou preparada”, diz.  Na avaliação do diretor do Colégio Estadual Professor Izidoro Luiz Cerávolo, Diego Fávaro Soares, a reforma do ensino médio é preocupante. “Vejo com preocupação, porque há um empobrecimento das ciências humanas e, consequentemente, da formação do cidadão. É uma educação que visa apenas o mercado de trabalho”, argumenta.  Soares, que é formado em História, comenta que a proposta também é antidemocrática. 

“Infelizmente, quem discute a educação não são os especialistas em Educação. Quem discute são os políticos, que colocam de forma arbitrária suas propostas”, diz. 

Sobre a possibilidade de um melhor rendimento dos alunos nesta fase, o diretor avalia que não basta apenas aumentar a carga horário, de 800 para 1400 horas/aulas, é preciso investir em recursos didáticos. “Hoje, o recurso que recebemos é basicamente para manutenção, não é para investimento pedagógico”, afirma.