Cotidiano

Suposto mentor de ataques é preso em Umuarama após deixar cidade em pânico pelo Whatsapp 

Da Redação ·
Jovem de 21 anos nega que tennha incitado ataques a ônibus pelo  Whatsapp  - Foto: Polícia Civil
Jovem de 21 anos nega que tennha incitado ataques a ônibus pelo Whatsapp - Foto: Polícia Civil

A Polícia Civil de Umuarama (noroeste do Paraná) prendeu, no início da noite de quinta-feira (1º), um rapaz de 21 anos suspeito coordenar pela internet ataques a dois ônibus incendiados na cidade. Segundo investigadores, as ações criminosas seriam em represália pela morte de um garoto de 16 anos durante uma abordagem policial, no dia anterior. Ontem a população de Umuarama viveu um dia de aflição e pânico.

continua após publicidade

Felipe Almeida Maciel estava detido em regime aberto e usava tornozeleira eletrônica. A Polícia Civil acredita que ele planejou os ataques e convocou as pessoas para os crimes pela internet. Mesmo estando monitorado, ele é suspeito de assalto no Posto Manaus no último fim de semana.

Conforme o portal MassaNews, a namorada jovem, Naiara Aparecida Vicente, 21 anos, trabalha no posto e também foi detida na quinta-feira (1), sob suspeita de passar informações privilegiadas aos criminosos. Maciel negou o crime e tentou ser enfático ao dizer que a polícia não tem provas contra ele.

continua após publicidade

WHATSAPP E PÂNICO
Um áudio divulgado pelo Whatsapp deixou os moradores de Umuarama em pânico na quinta-feira. A mensagem incitava populares a incendiar veículos na cidade como forma de vingança pela morte do adolescente de 16 anos, conhecido como Joinha. Ele teria reagido a uma abordagem, foi baleado pela Polícia Militar e morreu.O menor era suspeito de atos infracionais de roubo e tráfico de drogas.

O capitão Valdecir Capelli, da Polícia Militar, afirmou ao MassaNews que as forças de segurança precisam refletir sobre o uso do Whatsapp pela população e como reagir diante das crises geradas pelo aplicativo.

“Vamos ter que aprender a lidar com o Whatsapp. É preciso se ater aos detalhes, confirmar a informação antes de tomar uma decisão precipitada. A gente poderia ter tido um risco maior pelo pânico do que o real risco dos ataques”, avaliou.

continua após publicidade

CIDADE LOTADA DE POLICIAIS 
Por conta da situação, Umuarama recebeu reforço maciço de policiais militares dos batalhões de Campo Mourão, Cianorte, Cruzeiro do Oeste e Maringá. As pessoas ficaram atemorizadas, comércio fechou mais cedo e a cidade viveu um tipo de "toque de recalher" após as 18 horas de quinta-feira (1).

NORMALIDADE 
Nesta sexta-feira (2), a situação voltou à normalidade e houve a retomada das atividades do transporte coletivo, suspensas no início da tarde de quinta-feira, depois que os dois ônibus foram queimados.