Cotidiano

Pesquisa aponta que idosos usam menos remédio onde a maconha é legalizada

Da Redação ·
Adolescente foi apreendido sob posse de certa quantia de maconha. Foto: Reuters/Blair Gable/Imagem ilustrativa
Adolescente foi apreendido sob posse de certa quantia de maconha. Foto: Reuters/Blair Gable/Imagem ilustrativa

Uma pesquisa aponta que pessoas com idade avançada consomem menos medicamentos em países onde a maconha medicinal é legalizada. O estudo realizado pela Universidade da Geórgia focou em números do sistema público de saúde e constatou o impacto que a cannabis sativa teve em relação ao uso de medicamentos caros no tratamento de doenças graves. 

continua após publicidade

Cientistas avaliaram nove quadros em que a maconha pode ser recomendada como tratamento como nos casos da ansiedade, depressão, glaucoma, náuseas, dor, convulsões, distúrbios de sono e espasticidade (rigidez muscular).

A grande surpresa foi que o número de remédios convencionais receitados para oito destas doenças caiu em todos os estados em que a maconha medicinal foi legalizada até 2013. A única exceção foi o glaucoma.

continua após publicidade

No entanto, não dá para ter certeza que todos os idosos substituíram os remédios por maconha. Contudo, para as doenças que não podem ser tratadas com maconha, nada mudou. O número de receitas para anticoagulantes, por exemplo, não foi afetado.

Nos estados onde a droga foi legalizada também houve redução da prescrição de medicamentos. Em 2013 foram receitadas 1.800 doses a menos de analgésicos que os estados onde ela ainda é proibida.

Pesquisa aponta que idosos usam menos remédio onde a maconha é legalizada fonte: Reprodução
continua após publicidade

TAPA NA PANTERA - Não há como não relacionar o estudo ao vídeo viral Tapa na Pantera. O curta-metragem brasileiro de ficção produzido em 2006 conta, de forma humorística, a história de uma idosa usuária de maconha há trinta anos e que fala sobre suas experiências com a droga. É protagonizado pela atriz Maria Alice Vergueiro e dirigido por Esmir Filho, Mariana Bastos e Rafael Gomes.

LEGALIZAÇÃO NO BRASIL – No ano passado entrou em discussão a discriminalização do porte de maconha no Brasil. Em novembro, a Justiça liberou o uso dos princípios ativos da cannabis sativa – para uso medicinal. A Justiça destacou que não liberou o uso da droga, mas das substâncias THC (TETRAHIDROCANNABINOL) e CDB (CANNABIDIOL), para uso medicinal e científico e explicou o motivo, disse que se trata de uma questão de saúde, não se pode esperar, pois, a demora pode levar riscos aos pacientes. A permissão é válida mediante apresentação de prescrição médica e assinatura de termo de esclarecimento e responsabilidade pelo paciente.

MARCHA DA MACONHA - Neste ano, vários movimentos ativistas se mobilizaram em vários estados pedindo a legalização da maconha no Brasil. O coletivo defende que a legalização terminará com a guerra ao combate às drogas.