Cotidiano

Advogado nega que jogador tenha participado de estupro coletivo

Da Redação ·
Lucas Perdomo Duarte Santos é atleta do Boa Vista (Foto: Bernardo Gleizer / Flickr )
Lucas Perdomo Duarte Santos é atleta do Boa Vista (Foto: Bernardo Gleizer / Flickr )

MARCO ANTÔNIO MARTINS

continua após publicidade

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Ouvido pela polícia na noite desta sexta (27), o jogador de futebol Lucas Perdomo, 20, do Boavista (clube do interior do Rio de Janeiro), negou ter participado do estupro de uma adolescente de 16 anos, segundo afirmou seu advogado.

Eduardo Antunes, que defende o jogador, disse que o seu cliente não manteve relações com a adolescente e que estava acompanhado de outra mulher na noite em que a vítima foi atacada. Ela, segundo o relato de Lucas, estaria no baile funk do morro da Barão com outro homem.

continua após publicidade

Os dois casais teriam ido para uma casa na favela que, segundo o advogado, está abandonada e é usada para encontros casuais de jovens. Os casais ficaram em quartos separados, segundo Antunes.

"Meu cliente estava com outra jovem na mesma casa. Quando os casais terminaram seus encontros, a suposta vítima pediu para ficar mais um tempo na casa. Daí para frente, não sabemos o que aconteceu", disse Antunes.

O advogado afirmou que não viu o vídeo postado em uma rede social, que mostra a adolescente nua, ferida e desacordada.

continua após publicidade

Disse ainda que seu cliente negou ter sido o responsável pela gravação ou pelas fotos que foram feitas.

No vídeo, pelo menos três homens são ouvidos debochando da situação enquanto mostram imagens do órgão sexual da adolescente.

Tanto a mulher que estava com Lucas quanto o homem que estava com a adolescente atacada, na versão do jogador, foram levados para depor, na noite desta sexta (27). Até às 22h, os três ainda estavam sendo ouvidos.

continua após publicidade

A jovem atacada também foi ouvida nesta sexta, pela segunda vez. Estava acompanhada de sua advogada e conversou com psicólogos da polícia por cerca de duas horas, antes de ser ouvida pelo delegado responsável pelo caso.

A adolescente demonstrou estar muito nervosa e enjoada por causa do coquetel de remédios que ingeriu para evitar doenças sexualmente transmissíveis.