Cotidiano

​Professores e servidores realizam ato de protesto nesta sexta-feira

Da Redação ·

Professores e servidores da rede pública de educação de todo o Paraná paralisaram atividades nesta sexta-feira (29) para protestar na data em que completa um ano do confronto ocorrido em Curitiba entre educadores e policiais militares. A Batalha do Centro Cívico, como foi denominada, aconteceu na Praça Nossa Senhora de Salete no dia 29 de abril de 2015 e deixou aproximadamente 200 pessoas feridas. Em Curitiba, os manifestantes estão concentrados na Praça Santos Andrade.

Professores devem se reunir estudantes e trabalhadores de outras categorias, devem participar na Praça Tiradentes, ao meio-dia, de um “almoço comunitário”. Servidores da saúde, agentes penitenciários e do Detran, além de estudantes participam da mobilização.Conforme a APP-Sindicato, após o almoço todos vão caminhar para a Praça Nossa Senhora de Salete, em frente a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). A APPP acrescentou que cerca de 70 ônibus vindos de várias regiões do Paraná chegaram em Curitiba nesta sexta-feira, segundo a APP.

NORTE DO ESTADO

continua após publicidade

A mobilização de professores e servidores ocorreu ainda em cidades do interior do Paraná. Em Apucarana (norte do Paraná), mais de 80 professores trajando roupas pretas e portando faixas e cartazes se concentram no platô da Praça Rui Barbosa. O professor Edson Plath, ex-diretor do Colégio Estadual Santos Dumont, foi um dos educadores que marcou presença na manifestação. "A situação econômica e política no Brasil está complicada, mas não podemos deixar de lutar pelos nossos direitos nunca. E hoje faz um ano que colegas nossos foram agredidos em Curitiba e essa data significa luto para a nossa categoria", disse Plath.

O CONFRONTO
A confusão seguida de confronto entre policiais militares e professores foi a votação na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) da reestruturação do Paranaprevidência, que faz os pagamentos das aposentadorias dos servidores públicos do Paraná. O projeto de lei que promovia as mudanças foi aprovado em primeira discussão por 31 votos a 20 no dia 27 de abril.  O projeto transferia cerca de 30 mil aposentados com mais de 73 anos do Fundo Financeiro – bancado pelo governo estadual – para o Fundo Previdenciário – formado por contribuições dos servidores e do estado – os dois fundos formam o Paranaprevidência. A transferência ameaçava gerar um déficit no Fundo Previdenciário e a redução da solvência (capacidade do fundo de se manter estável) da Paranaprevidência de 57 para 29 anos.

continua após publicidade

Na época os servidores defendiam que a mudança comprometeria o fundo que, com o tempo, teria mais benefícios a pagar do que recursos. Já o governo arfumentava que a medida geraria uma economia de cerca de R$ 125 milhões para os cofres do estado e a não aprovação da reestruturação poderia comprometer a remuneração dos professores, causando, entre outros problemas, o congelamento das promoções, progressões e revisões anuais de salário. O governo garantia o equilíbrio dos fundos previdenciários, a manutenção dos valores dos pagamento aos aposentados e pensionistas e a contribuição mensal do estado, de R$ 380 milhões.

Os professores do Paraná vão paralisar as atividades letivas nos colégios e universidades públicas na próxima sexta-feira (29), data em que o confronto entre policiais e professores no Centro Cívico, em Curitiba, completa um ano. Uma manifestação também está agendada para acontecer na Capital do Estado.

O confronto entre policiais militares e professores aconteceu na Praça Nossa Senhora de Salete no dia 29 de abril de 2015 e deixou saldo de 200 feridos. O tumulto teve origem com a votação, na Assembleia Legislativa do Paraná, de mudanças na Paraná Previdência. Os organizadores da manifestação acreditam que cerca de 20 mil pessoas vão participar do ato de protesto. 

continua após publicidade

Por conta disso, na sexta-feira (29) não haverá aulas nas universidades e colégios estaduais.O professor João Luiz Calegari, diretor do Colégio Estadual Nilo Cairo, em Apucarana (norte do Paraná), afirma que a manifestação dos professores é legítima e informa que na cidade vai acontecer uma concentração de educadores a partir das 9 horas, no platô da Praça Rui Barbosa. 

NOTA DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO
Em nota divulgada nesta semana, a Secretaria de Estado da Educação (Seed) do Paraná reiterou que tem trabalhado para atender todos os pedidos feitos pela APP-Sindicato dentro do planejamento orçamentário do Governo do Estado.

A Secretaria reforçou ainda que tem mantido diálogo periódico com os representantes da categoria para avançar nas pautas de negociações e que diversas demandas dos sindicalistas estão sendo atendidas pelo Estado, como a realização de concursos públicos para funcionários da educação, a oferta da dobra de padrão aos professores e a nomeação de 296 professores feita pelo governador Beto Richa, na segunda-feira (25). A Secretaria da Educação reafirmou que já iniciou um estudo para pagamento escalonado das promoções e progressões aos professores assim que as finanças estiverem favoráveis. 

REPOSIÇÃO DE AULAS
Em relação a paralisação, a Seed destaca que a reposição das aulas desta sexta-feira (29) devem ser feitas nas escolas, para que os estudantes não sejam prejudicados. Caso contrário, haverá desconto na folha de pagamento.