Cotidiano

​Operação da PF apura corrupção na prefeitura de Foz do Iguaçu

Da Redação ·
Policiais federais quando cumpriam mandado judicial na Secretaria de Saúde de Foz (Foto: Caio Vasques / RPC )
Policiais federais quando cumpriam mandado judicial na Secretaria de Saúde de Foz (Foto: Caio Vasques / RPC )

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta terça-feira (19) a Operação Pecúlio para combater irregularidades na prefeitura de Foz do Iguaçu, na região da Tríplice Fronteira, no oeste do Paraná.  De acordo com a PF, foram expedidos 84 mandados judiciais - quatro de prisão preventiva, 10 de prisão temporária, 51 de busca e apreensão e 19 de condução coercitiva (quando o investigado é levado para prestar depoimento).

Uma das pessoas conduzidas de forma coercitiva para depor foi o prefeito de Foz, Reni Pereira (PSD).  Conforme a PF, foram apurados indícios de ingerências de gestores do município, de maneira direta e indireta, em empresas contratadas para prestação de serviços e realização de obras junto à prefeitura com montantes exorbitantes de recursos públicos federais como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e outros. As empresas teriam sido contratadas para prestar serviços ao Sistema Único de Saúde (SUS).

CRIMES
A PF detalhou ainda que os investigados devem responder pelos crimes de peculato, corrupção passiva e corrupção ativa, prevaricação, crimes à lei de licitações e organização criminosa. Se condenados, poderão pegar penas de mais de 20 anos de prisão, segundo estimativa de policiais federais.

continua após publicidade

PRAZO DE CINCO DIAS 
A prisão temporária vale durante cinco dias e pode ser prorrogada pelo mesmo período ou convertida em preventiva, que é quando o investigado fica preso à disposição da Justiça sem prazo pré-determinado para ser colocado em liberdade.