Arapongas

GAECO e Polícia Civil cumprem mandado na casa do presidente da Câmara de Arapongas

Da Redação ·

A Polícia Civil de Arapongas, juntamente com uma equipe do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), cumpriram mandados de busca e apreensão na manhã desta sexta-feira (18) na casa do presidente da Câmara dos Vereadores de Arapongas, Osvaldo Alves dos Santos, o Osvaldinho. Segundo informações do órgão, o vereador estaria envolvido em um suposto esquema de jogos de azar e lavagem de dinheiro.

continua após publicidade

A operação começou nas primeiras horas da manhã desta sexta. Os policiais pediram apoio ao GAECO para auxiliar nos cumprimentos de mandados. A casa do presidente da Câmara foi um dos alvos da operação. No local, foi encontrada uma grande quantidade de dinheiro em espécie e uma arma de fogo. Osvaldinho foi conduzido à 22ª SDP, ouvido e liberado logo em seguida.

GAECO e Polícia Civil cumprem mandado na casa do presidente da Câmara de Arapongas fonte: divulgação / GAECO
continua após publicidade

Leandro Antunes, promotor de Justiça do GAECO de Londrina, afirma que o órgão recebeu as denúncias deste suposto esquema, envolvendo o chamado 'jogo do bicho', em março de 2019. "Enviamos ao Ministério Público de Arapongas as informações, que passou a investigar o caso juntamente com a Polícia Civil. De acordo com as investigações, Osvaldinho seria um dos integrantes desse suposto esquema, lembrando que os fatos ainda estão sendo investigados", afirmou.

GAECO e Polícia Civil cumprem mandado na casa do presidente da Câmara de Arapongas fonte: divulgação / GAECO

Segundo ele, ainda não foi possível a contagem do dinheiro encontrado na casa de Osvaldinho. "O presidente da Câmara alega que os valores são lícitos. Ele afirmou que o dinheiro seria usado para quitar um apartamento que ele teria adquirido. A investigação vai mostrar se o montante é ou não lícito", afirmou o promotor.

continua após publicidade

GAECO e Polícia Civil cumprem mandado na casa do presidente da Câmara de Arapongas fonte: divulgação / GAECO

Outros mandados foram cumpridos em estabelecimentos comerciais e escritórios, que seriam utilizados para a lavagem de dinheiro proveniente do esquema criminoso. Documentos, aparelhos celulares, computadores e livros com anotações que podem auxiliar nas investigações foram apreendidos.